Petrobrás faz nova descoberta na Bacia de Campos

Poço no campo de Caratinga tem, de acordo com estimativas preliminares, reservas de 105 milhões de barris

Nicola Pamplona, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2010 | 00h00

RIO

A Petrobrás anunciou ontem uma nova descoberta no pré-sal da Bacia de Campos. Desta vez, no campo de Caratinga, já em produção. O poço, batizado de Carimbé, atingiu reservatórios acima e abaixo da camada de sal e, segundo estimativas preliminares, tem reservas de 105 milhões de barris ? volume que pode subir a 360 milhões a partir de novos trabalhos exploratórios. A empresa informou ainda que a produção nacional de petróleo cresceu 2,9% em abril.

A descoberta de Carimbé faz parte de um programa realizado pela estatal para encontrar novos reservatórios em áreas próximas à infraestrutura de produção. O objetivo é ampliar a produção no curto prazo, aproveitando as plataformas já instaladas, para antecipar receita. Carimbé deve ser conectado à plataforma P-48, que produz no projeto Barracuda e Caratinga desde 2004.

De acordo com a estatal, o óleo encontrado é leve, com 29° API (medida internacional de qualidade). O reservatório tem características semelhantes a outra descoberta na região, anunciada em fevereiro.

Em comunicado, a Petrobrás informou que sua produção de petróleo e gás cresceu 3,2% em abril na comparação com o mesmo mês do ano anterior, atingindo 2,598 milhões de barris de óleo equivalente por dia. O volume também é 1,7% superior ao extraído em março deste ano, resultado da conexão de novos poços a plataformas de produção.

Segundo o texto, a produção nacional de petróleo da empresa cresceu 2,9% sobre abril do ano passado, para 2,032 milhões de barris por dia.

Sondas. Segundo fontes do setor, pelo menos sete consórcios entregaram ontem à Petrobras propostas para a construção de duas sondas de perfuração no País. Hoje, a estatal recebe outras propostas para quatro pacotes de sete sondas, no que é considerada a maior licitação desse tipo já realizada.

Nesse momento, porém, serão abertos apenas as propostas técnicas. As propostas financeiras, que definirão os vencedores, devem ser abertas apenas em meados de junho. Cada proposta deve apresentar um desenvolvedor de tecnologia para sondas de perfuração, que atuará como parceiro dos consórcios. O custo estimado de cada unidade é de cerca de US$ 800 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.