Petrobrás faz nova descoberta no pré-sal da Bacia de Santos

Petróleo encontrado pertence ao novo poço Carioca Nordeste; empresa informou que se trata de óleo leve

Nicola Pamplona, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2011 | 00h00

A Petrobrás anunciou ontem uma nova descoberta de petróleo no pré-sal da Bacia de Santos. Batizado informalmente de Carioca Nordeste, o poço fica a 275 quilômetros do litoral paulista e está localizado no bloco exploratório BM-S-9, onde a Petrobrás já tem outras duas descobertas, Carioca e Guará.

A empresa não informou volume de óleo no local, limitando-se apenas a divulgar que se trata de óleo leve.

"As análises preliminares comprovaram a extensão da acumulação com óleo de 26 API (medida internacional de qualidade) em 200 metros de reservatório de alta qualidade, superior ao resultado do poço pioneiro (Carioca)", informou a companhia em comunicado oficial. A Petrobrás é sócia da britânica BG e da espanhola Repsol no bloco BM-S-9, cujo prazo exploratório termina em 2012.

As únicas estimativas reveladas até agora sobre o bloco dizem respeito a Guará, que tem entre 1,1 bilhão e 2 bilhões de barris de petróleo. O projeto está hoje em fase de testes de produção, por meio da plataforma Dynamic Producer, com capacidade para extrair 30 mil barris por dia.

A entrada em operação da unidade, em dezembro, contribuiu para que a companhia atingisse seu recorde de produção nacional naquele mês, de 2,121 milhões de barris por dia. Guará é a terceira descoberta do pré-sal a iniciar produção, mesmo que em fase de testes, depois do Parque das Baleias, no Espírito Santo, e de Lula (antigamente chamado de Tupi), em Santos.

O bloco exploratório BM-S-9 fica ao sul do campo de Lula, maior descoberta confirmada de petróleo no País, com 6,5 bilhões de barris. A Petrobrás mantém grande esforço exploratório na região e analistas esperam novos anúncios de descobertas nos próximos meses.

"O consórcio (responsável pelo BM-S-9) dará continuidade aos investimentos previstos no plano de avaliação de descoberta, apresentado para ANP (Agência Nacional do Petróleo) em 2007, para confirmar as dimensões e características do reservatório", informou a estatal, no comunicado divulgado na noite de ontem.

Produção. Um dia após o anúncio do recorde de produção em 2010, analistas do mercado financeiro disseram esperar reflexos positivos nas ações da companhia, que passaram o ano passado de lado por conta do processo de capitalização. Mesmo que a meta para o ano não tenha sido cumprida, diz a analista Mônica Araújo, da corretora Ativa, o desempenho sustenta "um forte ritmo de recuperação iniciado timidamente em outubro de 2010".

A meta de produção nacional da estatal era de uma média anual de 2,1 milhões de barris por dia. O volume verificado, porém, ficou pouco acima dos 2 milhões de barris por dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.