Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

bolha

Paulo Bilyk: "Quem está comprado em 4 ou 5 ações corre risco grande de perder tudo"

Petrobrás fecha captação externa de US$ 2 bilhões

Demanda dos investidores pelos papéis da empresa chegou a US$ 10 bilhões, segundo fontes de mercado

Fernanda Guimarães e Fabiana Holtz, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2018 | 22h07

A Petrobrás anunciou nesta sexta-feira, 26, a captação de US$ 2 bilhões em títulos no exterior, com vencimento em 1.º de fevereiro de 2029 e rendimento ao investidor de 5,95% ao ano. A demanda dos investidores pelos papéis da empresa chegou a US$ 10 bilhões, segundo fontes de mercado.

A ida da estatal ao mercado prova o bom humor dos investidores em relação à companhia, que conseguiu melhorar seu custo de captação. O “new premium issue” (NIP) ficou negativo – ou seja, o custo dos títulos novos ficou abaixo dos papéis já emitidos pela companhia e que são negociados entre investidores.

++Bolsa brasileira registra alta de 5,31% em uma semana

No ano passado, a Petrobrás foi duas vezes ao mercado externo. Também em janeiro, captou US$ 4 bilhões. Já em setembro emitiu mais US$ 2 bilhões em bônus, com ordens que chegaram a US$ 9 bilhões.

A emissão fechada na quinta-feira, 25, mostra que, em um ano, o custo de captação da petroleira caiu ainda mais. Em janeiro do ano passado, com um emissão mais curta, com vencimento em 2022, os juros pagos foram de 6,125%.

++Nestlé cortará mais 400 empregos na França em esforço para conter gastos

Registrada na SEC (a CVM norte-americana), a atual emissão conta com a garantia total da Petrobrás. Em comunicado, a empresa informou que sua subsidiária Petrobrás Global Finance pretende usar os recursos da venda do título para a liquidação antecipada de outros títulos que vencem a partir de janeiro de 2019. A estatal informou ainda que, caso haja recursos remanescentes, serão utilizados para o pré-pagamento de outras dívidas e para fins corporativos gerais.

Foram coordenadores da oferta BNP Paribas, Bradesco BBI, Citigroup, Credit Agricole, Itaú BBA e Mizuho Securities.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.