Petrobras fica com 90% das áreas leiloadas para exploração

A Petrobras terminou a quinta rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP) com 88 das 101 áreas concedidas ? três delas em parceria com multinacionais. No segundo dia do leilão, encerrado hoje, a estatal levou 15 blocos. Em dois dias, a ANP conseguiu vender apenas pouco mais de 10% das 908 áreas que ofertou.Apesar disso, o resultado foi considerado excelente pelo diretor-geral da ANP, Sebastião do Rego Barros, por ter atraído pequenas empresas e garantido a continuidade da atividade exploratória no Brasil, com o acréscimo de 22 mil quilômetros quadrados de áreas voltadas para esta atividade. ?Em termos de área, esta rodada foi comparável à do ano passado, quando concedemos 25 mil quilômetros quadrados?, disse .Ele disse que o modelo de licitação com áreas menores deve ser mantido no próximo leilão, que deve ocorrer no segundo trimestre de 2004. As áreas devolvidas pela Petrobras no dia 5 de agosto, onde a estatal realizou importantes descobertas, serão levadas a leilão, o que, na sua opinião, deve atrair as grandes petroleiras mundiais.Duas pequenas empresas brasileiras participaram do leilão: a Aurizônia e a Sinergy, controladora da Marítima, que ainda terá a participação julgada pela agência, já que a comissão de licitações do órgão regulador não habilitou a empresa. As duas ficaram com 10 áreas. Das onze empresas inscritas, apenas seis fizeram lances ? além das três já citadas, a portuguesa Partex, a americana Newfield e a dinamarquesa Maersk. Todas arremataram áreas.A quinta rodada de licitações garantiu investimentos de pelo menos R$ 363,5 milhões durante a fase de exploração das áreas, segundo cálculos da ANP. A arrecadação foi de R$ 27,4 milhões, sendo que 80% deste volume foi pago pela Petrobras, que gastou R$ 21,9 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.