Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Petrobras investe em dutos para transportar mais etanol

Enquanto finaliza os estudos para a implantação do alcoolduto Senador Canedo (GO) - São Sebastião (SP), a Petrobras adotou a estratégia de investir na otimização da malha de dutos atual para elevar a capacidade de transporte do etanol e melhorar a qualidade do produto para exportação. "Estamos investindo na adaptação do sistema atual", contou o gerente de Novos Negócios de Abastecimento Corporativo da estatal, Gilberto Ribeiro de Carvalho, durante o "Congresso Brasileiro de Agribusiness", promovido pela Associação Brasileira de Agribusiness (Abag).Segundo o executivo, a malha atual da Petrobras permite o transporte de apenas 50 milhões de litros por mês de etanol. "Pretendemos ampliar esse volume para 250 milhões de litros por mês", afirmou Carvalho. Para tanto, a companhia irá investir para acabar com os gargalos no poliduto São Paulo-Rio de Janeiro (OSRIO), da Refinaria Duque de Caxias (Reduc) e do Terminal Marítimo Ilha D''''Água (RJ). O gerente não soube informar quanto será investimento nesses projetos.Sobre o alcoolduto que interligará Goiás a São Paulo, Carvalho afirmou que Petrobras está em fase final dos estudos do empreendimento. Segundo o executivo, a instalação terá condições de transportar 12 bilhões de litros por ano em 2020, dos quais 8 bilhões de litros serão escoados ao mercado externo pelo Terminal de São Sebastião e 4 bilhões de litros por Ilha d''''água.ParceriasO executivo disse que a Petrobras terá participação minoritária no empreendimento. Participam do projeto a japonesa Mitsui, que atuará na venda do etanol ao mercado externo, principalmente japonês, e a Camargo Corrêa. "Esse é um bom momento para abrir conversas com usineiros porque já temos dados mais concretos sobre o empreendimento", afirmou Carvalho. O gerente preferiu não informar a estimativa de investimento, alegando que dentro de dois meses a Petrobras deverá divulgar informações mais detalhadas sobre o alcoolduto.Além de estar aberta a parcerias para viabilizar o investimento, a Petrobras quer vender capacidade do alcoolduto para outras companhias. "Pretendemos tornar disponível a capacidade para o mercado. Isso é interessante porque mitiga o risco do investimento", explicou o gerente de Novos Negócios do Abastecimento Corporativo da estatal.Em relação ao alcoolduto que interligará Campo Grande (MS) ao Porto de Paranaguá (PR), Carvalho comentou que os estudos estão em fase preliminar. O executivo disse que o estudo da Copel para construir um duto de transporte de etanol no Paraná não está relacionado ao projeto em análise pela Petrobras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.