finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Petrobras investirá em navios para exportar etanol

O diretor financeiro e de Relações com Investidores da Petrobras, Almir Barbassa, afirmou que a estatal pretende investir na construção de navios para transportar a produção brasileira de etanol (álcool combustível) para os mercados consumidores no exterior. "Temos como meta exportar 4,5 milhões de metros cúbicos de etanol em 2012", afirmou o executivo em evento realizado pelo Instituto Nacional de Investidores (INI), ontem à noite em Campinas (SP).Além da construção de navios, a Petrobras planeja investimentos no transporte do produto em território brasileiro. A estatal pretende construir dois alcooldutos, um interligando Goiás a São Paulo e ao Rio de Janeiro e outro conectando Mato Grosso do Sul ao Paraná. No plano estratégico 2008-2012, a companhia destinará 50% de US$ 1,5 bilhão previsto de investimento para fontes alternativas na construção dos dutos. "A Petrobras pretende atuar na logística e na comercialização do biocombustível", justificou Barbassa.ÁsiaMas não é apenas no mercado interno que a Petrobras vem desenvolvendo a infra-estrutura logística. Recentemente, a companhia adquiriu da norte-americana Exxon uma refinaria na província de Okinawa, no Japão, visando a colocação do etanol no mercado asiático."A refinaria tem uma pequena capacidade de refino, da ordem 100 mil barris por dia. Porém, a capacidade de armazenamento é fabulosa, podendo estocar 6,9 milhões de barris de petróleo. Além disso, possui três portos, sendo dois para embarcações menores e um para navios do tipo Very Large Crude Carrier (VLCC), que transporta dois milhões de barris", justificou.De acordo com Barbassa, a refinaria permitirá que a companhia disponibilize para o mercado asiático etanol, petróleo e derivados a um menor custo uma vez que o navio de grande capacidade tende a reduzir o custo de transporte, que é impactado negativamente pela grande distância entre o Brasil e a Ásia. "Essa é a nossa estratégia para essa refinaria", disse.

WELLINGTON BAHNEMANN, Agencia Estado

27 de novembro de 2007 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.