finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Petrobrás leva 49 dos 72 blocos arrematados em leilão da ANP

Nenhuma empresa fez oferta para os 36 blocos colocados à venda na bacia de São Francisco  

Wellington Bahnemann, Mônica Ciarelli, Sabrina Valle e André Magnabosco, da Agência Estado,

28 de novembro de 2013 | 12h53

A Petrobrás saiu como a grande vencedora da 12ª Rodada de áreas exploratórias da Agência Nacional do Petróleo (ANP). A empresa levou 49 dos 72 blocos arrematados. O ágio obtido ficou em 755,95%.

A Petrobrás arrematou 10 dos 14 blocos vendidos no segundo setor da bacia do Recôncavo colocado à venda. Desse total, a estatal levou cinco blocos no consórcio formado com a GDF Suez e a Ouro Preto, dois em parceria com a Cowan e a Outro Preto, dois em consórcio apenas com a Cowan e mais um em parceria com a GDF e a Cowan.

A colombiana Alvopetro arrematou sozinha quatro blocos. Ao todo, a ANP arrecadou no setor R$ 22.375.574,00 em bônus, o que representa um ágio de 453,12% em relação ao preço mínimo fixado. As empresas se comprometeram a investir no setor R$ 54.921.400,00. O leilão arrecadou ao todo R$ 165.196.596,00.

Nenhuma empresa fez oferta para os 36 blocos colocados à venda na bacia de São Francisco. O mesmo já havia ocorrido na bacia do Parecis.

A Bacia do São Francisco é considerada uma região de Nova Fronteira pela ANP e tem vocação para a descoberta de recursos não convencionais, especialmente de gás natural. Os 36 blocos estão localizados na fronteira dos Estados de Tocantins, Goiás e Bahia.

 

Importância geopolítica. Em seu discurso de abertura, o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Zimmermann, destacou que o gás natural tem tido um peso geopolítico global cada vez maior, citando como exemplo a revolução energética provocada pelo shale gas (gás de folhelho) nos Estados Unidos. "Por conta disso, os Estados Unidos poderão virar exportador de petróleo", afirmou o executivo, lembrando que isso era improvável alguns anos atrás.

Dado o tamanho do Brasil e de suas bacias sedimentares, Zimmermann disse que 12ª Rodada, que será focada nos campos em terra, é importante para criar a cultura de exploração do gás no País. O secretário lembrou que o gás está cada vez mais presente na matriz energética brasileira, especialmente na matriz elétrica. O sistema de transmissão é visto pelo MME, inclusive, como uma alternativa para compensar a falta de estrutura de transporte para escoamento do gás que caracteriza o setor de gás no País hoje. "Mesmo em regiões distantes, é possível monetizar rapidamente o gás", afirmou Zimmermann.

Tudo o que sabemos sobre:
concessõesgásSão Francisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.