bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Petrobrás lidera disputa por áreas licitadas pela ANP

Total investido pela estatal junto com parceiros, na 11ª rodada da Agência Nacional do Petróleo, foi de R$ 1,46 bilhão

Sabrina Valle, da Agência Estado,

15 de maio de 2013 | 20h25

 

RIO - A Petrobrás, mais uma vez, liderou a disputa por áreas licitadas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). A estatal arrematou 34 blocos, 12 deles como operadora - sete atuando sozinha. O total investido junto com seus parceiros, na 11ª rodada, foi de R$ 1,46 bilhão, dos quais R$ 537,9 milhões caixa próprio da companhia. Petrobrás, Total e BP estão entre as que concentrarão mais investimentos nas áreas licitadas. Em relatório, o Credit Suisse disse que os 34 blocos arrematados pela Petrobrás mostraram mais apetite da empresa do que o esperado pelo mercado, embora boa parte deles tenha sido feita em parceria.

Multinacionais de peso, como Repsol, Shell e Conoco estão entre as que nada levaram. Fizeram lances por poucos blocos (7, 6 e 2 blocos, respectivamente), mas não ganharam. A brasileira HRT nem tentou. Barra Energia tampouco, mas informou que seu foco será no leilão do pré-sal em novembro.

Petra Energia, com foco em blocos menores em terra, foi a segunda a arrematar o maior número de áreas, 27. A BP levou oito blocos em águas profundas. A empresa está no consórcio responsável pela maior oferta do leilão, R$ 345,9 milhões pelo bloco em mar do Foz do Amazonas número 57 que compartilhará com a operadora Total (40%) e Petrobrás (30%).

Também participa do consórcio, de mesma composição, que pagou R$ 214,4 milhões pelo bloco 88 da mesma bacia. "A BP está muito satisfeita com o resultado. Com essas aquisições, aumentaremos nossa presença exploratória em áreas de fronteira ao longo da margem equatorial brasileira", afirmou, em nota, Mike Daily, vice-presidente executivo de exploração da BP.

A OGX levou sete blocos na margem equatorial. Fez lances por 33 blocos e acabou investiu R$ 376 milhões por sua participação em 13 blocos. Em dez deles, estará sozinha, sem parceiros. É bem menos dos R$ 1,4 bilhão investidos pela OGX em 21 blocos na 9ª Rodada, em 2007, quando a petroleira de Eike Batista despontou no mercado. Apenas em um deles, na Bacia de Santos, a OGX ofertou R$ 344 milhões. Acabou não encontrando petróleo e tendo que devolver a área à União.

Desta vez, o maior lance que teve sucesso foi de R$ 80 milhões, para um bloco em Barreirinhas. A participação da petroleira, embora menos agressiva, surpreendeu, pois a companhia enfrenta restrições de caixa e produção abaixo do esperado. A OGX comprou sete blocos em águas profundas e dois em águas rasas localizados na Margem Equatorial, além de 4 blocos terrestres situados na Bacia do Parnaíba. Em dois deles, terá parceria com a ExxonMobil, que será operadora.

Bacias

Duas bacias sedimentares do Norte do País, de um total de 11 ofertadas, concentrarão cerca da metade da arrecadação e dos R$ 7 bilhões de investimentos da 11.ª rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Foz do Amazonas, na costa de Amapá e Pará, e Barreirinhas, na costa de Maranhão e Piauí - áreas tidas como nova fronteira na exploração de petróleo - arrecadaram R$ 1,589 bilhão de bônus pela concessão de 33 blocos. O total arrecadado no leilão em bônus para 142 blocos foi de R$ 2,8 bilhões. Foram R$ 802,7 milhões na Foz e R$ 786,9 em bônus no Maranhão.

As duas bacias demandarão mais de R$ 3 bilhões de investimentos mínimos por cinco anos na fase de exploração, quase metade de todo o investimento previsto após a rodada. As 30 empresas que levaram ao todo 142 blocos ontem terão que investir ao todo, no mínimo, R$ 7 bilhões, segundo a ANP.

Em média, as empresas pagaram nessa região cerca de R$ 48 milhões pelo direito de explorar cada bloco, dando a dimensão de que a região ganha relevância no mapa exploratório. A diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, disse que a rodada tinha como um de seus objetivos descentralizar investimentos no País, hoje focados no Sudeste.

Tudo o que sabemos sobre:
ANPleilãoPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.