Petrobrás lucra R$ 35,1 bi e bate recorde

Resultado da companhia em 2010 superou em 17% o do ano anterior e é o maior no ranking das companhias abertas brasileiras

IRANY TEREZA, KELLY LIMA E SABRINA VALLE, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2011 | 00h00

A Petrobrás encerrou o ano de 2010 com lucro de R$ 35,189 bilhões, o maior resultado da história entre as companhias abertas brasileiras, de acordo com ranking elaborado pela consultoria Economática.

Ao anunciar o resultado, o diretor financeiro da companhia, Almir Barbassa, atribuiu o recorde à elevação da cotação do petróleo ao longo do ano e ao aumento na venda de derivados pela empresa.

As vendas internas, que representam entre 80% e 85% do faturamento da companhia, saltaram 11% em 2010, resultado direto da demanda aquecida. Barbassa destacou também a produção no exterior, de 245 mil barris por dia, que segue a oscilação da cotação internacional do petróleo.

A produção externa, porém, corresponde a apenas 9% da produção total de óleo e gás da Petrobrás, que no ano passado atingiu a média de 2,553 milhões de barris/dia. Barbassa admitiu que a adoção, no mercado interno, de uma política de preços mais atrelada à cotação internacional "poderia sim" ter levado a um resultado ainda melhor. Mas, não apontou para uma eventual mudança de postura.

Ao contrário, reforçou a estratégia de preços da companhia, lembrando resultados obtidos no auge da crise internacional. "A empresa adotou esta política nos anos anteriores e obteve melhores resultados do que se tivesse repassado a queda do preço do barril. Acompanhamos o mercado no longo prazo. Sob todas as óticas possíveis, não sacrificamos nossos consumidores repassando a volatilidade do mercado", afirmou.

Nem mesmo a disparada do preço do petróleo, com o agravamento dos conflitos no norte da África e no Oriente Médio, deve mudar a política de preços, pelo menos nos próximos dois meses. Barbassa salientou que a empresa trabalha com a possibilidade de solução para a crise em 30 ou 60 dias, o que levaria os preços internacionais a retornarem do patamar atual, que superou a barreira dos US$ 100, para algo entre US$ 60 e US$ 90. "Essa situação é conjuntural."

Destaque. O lucro da Petrobrás superou em 17% o resultado de 2009 e também o recorde de 2008 quando, beneficiada pelo cenário de aquecimento antes da crise internacional, a estatal teve ganho de R$ 32,988 bilhões.

Na história das empresas com ações em bolsa, cabe à Petrobrás os dois primeiros lugares do ranking entre os lucros mais vultosos. O terceiro lugar é da Vale, com os R$ 30,070 em 2010, divulgados na noite de quinta-feira.

Barbassa anunciou que este ano a Petrobrás vai investir R$ 93,67 bilhões e afirmou que a companhia tem caixa para isso, embora pretenda continuar captando recursos no mercado para manter saneadas suas contas.

"Temos R$ 55 bilhões em caixa e mesmo assim captamos em janeiro US$ 6 bilhões", comentou. No ano passado, a empresa investiu R$ 13 bilhões a menos do que os R$ 89 bilhões pretendidos. Segundo o diretor, por "questões várias", entre as quais atrasos em licitações e na entrega de equipamentos.

Para este ano, a meta de produção da empresa é de 2,1 milhões de barris por dia, o que representaria alta de 2,5% em relação aos 2,004 milhões diários de 2010. Barbassa afirmou que há previsão de entrada de 60 novos poços marítimos, adicionando na media diária 120 mil poços em desenvolvimento em plataformas já existentes (concessões de Caratinga, Marlim Sul, Marlim Leste e Roncador).

No pré-sal, a meta é acelerar a exploração e produção em Santos. Até o ano passado, 20 poços foram perfurados na região; para este ano, a intenção da empresa é perfurar mais 20. Já há nove sondas trabalhando na região e quatro novos poços estão em fase de conclusão. O sucesso no pré-sal já está contribuindo para o aumento de reservas da companhia, que contabiliza quase 16 bilhões de barris de petróleo.

A Petrobrás fechou o ano de 2010 com superávit de R$ 2,89 bilhões, o que representou uma queda de 49% em relação a 2009 (R$ 5,64 bilhões). A companhia importou R$ 31,753 bilhões (de 34% a mais do que no ano anterior) e exportou R$ 34,643 bilhões (alta de 18%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.