Petrobrás mantém ajuste para reduzir dívida, mesmo com lucro de R$ 10 bi

Apesar do resultado que surpreendeu analistas e foi motivado principalmente pela valorização do preço do petróleo, petroleira tem endividamento de R$ 284 bi

Fernanda Nunes, Denise Luna e Karin Sato, O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2018 | 10h51

RIO E SÃO PAULO - Com a alta do preço do petróleo, a Petrobrás registrou um lucro de R$ 10 bilhões entre abril e junho – o maior desde o segundo trimestre de 2011. Embora o resultado tenha superado as projeções mais otimistas do mercado, a petroleira ainda convive com um endividamento de R$ 284 bilhões que a obriga a manter o aperto financeiro. Para reduzir a dívida, a diretoria aposta na manutenção da política de reajuste diário dos preços dos combustíveis e na venda de ativos.

“A gente espera que a trajetória de recuperação continue”, disse o presidente da companhia, Ivan Monteiro, que nesta semana completou dois meses na presidência da petroleira, no lugar de Pedro Parente. “Buscamos disciplina. Não há qualquer alteração no plano de negócios aprovado pelo conselho.”

Uma das principais metas da companhia é baixar o endividamento para duas vezes e meia o valor da geração de caixa. Hoje essa relação está em 3,23 vezes. Ao longo do segundo trimestre, a Petrobrás conseguiu melhorar o perfil de sua dívida, reduzindo as taxas de juros e ampliando prazos de pagamento. Nos últimos três anos, o endividamento líquido encolheu 42% frente aos R$ 493 bilhões do período mais crítico, no fim de 2015.

Segundo o diretor Financeiro, Rafael Grisolia, hoje a posição de caixa da estatal cobre os principais vencimentos até 2021 e os esforços de negociação, a partir de agora, estão nos créditos com prazo a partir de 2022.

De onde veio o lucro da Petrobrás

O lucro bilionário foi motivado, principalmente, pela valorização do barril do petróleo, que em Londres passou de US$ 67 para US$ 74, do primeiro para o segundo trimestre. Com isso, as margens de exportação da commodity e de venda de derivados subiram. A empresa ainda expandiu sua participação no mercado de gasolina e diesel, tomando espaço antes ocupado por importadores.

A companhia também cortou custos e investiu no crescimento da produção de petróleo na região do pré-sal. Assim, conseguiu reduzir a distância que mantinha das concorrentes multinacionais. O lucro do segundo trimestre elevou a Petrobrás à quarta posição num ranking de resultados financeiros de petroleiras elaborado pela consultoria Economática. A estatal está a US$ 3,4 bilhões da Shell, primeira colocada, e a apenas US$ 187 milhões da britânica BP.

O Goldman Sachs ressaltou a melhora de resultado do segmento de exploração e produção como reflexo da alta do petróleo. A avaliação positiva do mercado fez com que as ações preferenciais subissem 2,43% e as ordinárias, 3,48%. O valor de mercado alcançou a marca de R$ 291 bilhões, melhor desempenho desde o dia 23 de maio, dois dias após o início da greve dos caminhoneiros, quando a empresa valia R$ 332 bilhões.

Mais conteúdo sobre:
Petrobráspetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.