Petrobrás: Merrill Lynch aprova oferta pública

O analista de ações para o Brasil da Merrill Lynch, Marcelo Audi, aprovou decisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) de exigir a oferta pública aos minoritários antes da incorporação da Petrobrás Distribuidora (BR) à Petrobrás. Ele diz ainda que, politicamente, a decisão fortaleceu a autarquia. "A CVM ganhou credibilidade ao impor esta regra para uma estatal, com base na instrução 345", afirmou.O analista informou que os minoritários da BR já estão se organizando para formar um bloco de um terço para que a Petrobrás não consiga a adesão necessária de 67% para o fechamento de capital, prevista na instrução 345 e, desta forma, eles possam negociar um preço melhor para as ações. A Petrobrás informou, na data da divulgação da decisão da CVM, que recorrerá ao colegiado da autarquia.No último dia 21, a CVM determinou que a Petrobrás faça uma oferta pública de fechamento de capital da Petrobrás BR. A companhia também terá de republicar o fato relevante a respeito da incorporação da BR e reconvocar a assembléia geral extraordinária que aprovará a operação. Dessa forma, a CVM determinou que a Petrobrás mude as características da operação para estabelecer proteção adicional aos acionistas minoritários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.