Petrobras muda estratégia para licitação da P-57

A Petrobras mudou a estratégia para a licitação da plataforma P-57, a ser instalada no campo de Jubarte, na Bacia de Campos, e recebeu a proposta de três grupos estrangeiros para sua construção. Vão disputar a unidade a norte-americana Modec, a norueguesa BW Offshore e a SBM, empresa com sede em Mônaco. A primeira licitação para a P-57 foi cancelada no início deste ano, porque a estatal considerou elevados os preços apresentados pelos únicos dois grupos que se interessaram em apresentar proposta: o estaleiro Atlântico Sul (US$ 1,77 bilhão) e o Jurong (US$ 2,38 bilhões).O novo processo licitatório faz parte de uma nova estratégia da Petrobras de encomendar suas plataformas. A petroleira convidou 12 empresas, sendo que apenas sete delas eram da área da construção, únicas convocadas pela companhia em licitações anteriores. Desta vez, foram chamadas também operadoras de plataformas. As três que apresentaram a proposta estão entre este grupo. A empresa vencedora terá que fornecer a unidade em 35 meses e operá-la por um período de três anos, sendo que no final deste período a plataforma ficará sob operação direta da Petrobras. A estatal manteve no edital a exigência de um conteúdo nacional de 65%. A plataforma é do tipo FPSO, sigla em inglês que define sistemas flutuantes de produção, armazenamento e transferência de petróleo. O FPSO terá capacidade de produção 180 mil barris por dia de óleo e tratar 2 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. O resultado da licitação será conhecido em novembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.