Petrobras não descarta reajuste no preço da gasolina

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, não descartou um reajuste no preço da gasolina nos próximos meses. Ao ser questionado sobre o assunto, desconversou sobre esta possibilidade. "Nós consideramos a variação dos preços (dos derivados) no longo prazo. O barril do petróleo foi a US$ 78 e está agora em US$ 68. Depende. Vamos ver as tendências no longo prazo". Gabrielli não quis comentar os cálculos divulgados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão do Ministério do Planejamento, de que um reajuste de 7% no preço da gasolina nas refinarias resultaria em um impacto de 0,12 ponto percentual na índice IPCA, calculado pelo IBGE. "A Petrobras não considera esses cálculos. Os nossos cálculos são outros", disse, em rápida entrevista à Agência Estado durante visita à feira Rio Oil&Gas. Crescimento do setorO setor de petróleo e gás cresceu 318% no período de 1997 a 2005, bem acima da média da economia nacional, que se expandiu 23% no mesmo período. Os números foram citados nesta segunda pelo diretor-geral da Agência Nacional o Petróleo (ANP), Haroldo Lima, na abertura da 13ª edição da Rio Oil & Gas Expo and Conference, principal evento de petróleo e gás da América Latina. O evento acontece no Riocentro no Rio de Janeiro e é realizado pelo Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP) a cada dois anos na capital carioca.O tom da abertura do evento foi otimista. Gabrielli disse que o Brasil tem capacidade de expandir todas as áreas do setor: tanto produção e refino de petróleo, quanto em gás natural e na descoberta de novas fontes de energia "particularmente os biocombustíveis".O presidente da estatal pediu que toda a cadeia produtiva do setor se mobilize para garantir a continuidade da segurança energética. O presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), João Carlos De Luca, confirmou que o setor é visto hoje como tendo regras estáveis e que isso garantiu o sucesso dos leilões da ANP. "Não podemos arriscar esse patrimônio com instabilidades", alertou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.