Petrobras não pretende repassar alta do petróleo

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, voltou a dizer hoje que a estatal não pretende repassar para o mercado brasileiro as oscilações do petróleo no mercado internacional. Ao ser questionado sobre como a empresa reagiria à nova alta do preço do barril no mercado internacional, Gabrielli afirmou que a Petrobras deverá manter a mesma política adotada nos últimos quatro anos e meio e disse que isso não prejudica a empresa."A indústria de petróleo não trabalha com variações de curto prazo no mundo inteiro. Ninguém faz avaliação para a construção de uma plataforma, que leva de quatro a cinco anos para entrar em produção, com base na variação do preço do petróleo de um dia para o outro", disse.Gabrielli lembrou que, nos últimos quatro anos, a Petrobras tem reafirmado que a política de preços da companhia mantém uma relação entre os preços brasileiros e internacionais somente no longo prazo. "Nós não vamos traduzir para o mercado brasileiro as flutuações de curto prazo que ocorrem no mercado internacional. E isso nós estamos fazendo sem comprometer a capacidade de financiamento da companhia evidentemente, porque nós estamos também sendo beneficiados pela grande variação do câmbio brasileiro. Na medida em que a moeda brasileira se aprecia em relação ao dólar, o custo em reais equivale a mesma coisa em dólar", disse.

KELLY LIMA, Agencia Estado

26 de outubro de 2007 | 17h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.