Petrobras: papéis em ADRs nível II

A Petrobras vai negociar suas ações preferenciais na Bolsa de Nova York (NYSE) nos próximos seis meses. A intenção é transformar em American Depositary Receipts (ADRs) nível II os papéis da companhia que já são negociados no mercado de balcão dos Estados Unidos. Com isso, a empresa terá listado em Nova York ações preferenciais e ordinárias. A decisão era aguardada pelos analistas financeiros, que apostam agora em um aumento no volume de negócios com os papéis preferenciais. As ações perderam um pouco de volume de negócios após a venda dos papéis excedentes ao controle da estatal em poder do governo este mês. Na operação, a estatal ampliou também a oferta de ações ordinárias - ON, com direito a voto - em Nova York.A Petrobras negocia hoje 20,3% do capital não votante da empresa no mercado de balcão dos EstadosUnidos. A intenção é concluir todo processo de transferência de ADR nível I para nível II ao longo dos próximos seis meses. Como o balanço da companhia já está adaptado as normas exigidas pela Security and Exchange Comission (SEC), órgão que regula o mercado de capitais no Estados Unidos, o processo deve correr mais rápido do que com as ações ordinários da estatal. A notícia puxou a valorização das ações da Petrobras, que subiram na contramão do mercado acionário. Os papéis preferenciais tiveram ganho de 2,34%, enquanto o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) amargou perda de 0,60%. Analista acredita em incremento nos negócios de ações preferenciaisO analista financeiro do Banco Prosper, Gustavo Alcântara, espera um incremento no volume de negócios com ações preferenciais a partir de sua listagem em Nova York. "Alguns investidores não gostam de participar do bloco de controle e, nesses casos, é melhor aplicar em as ações preferenciais", afirmou.Segundo ele, a diferença de preços entre os dois papéis da estatal deve diminuir após sua listagem. Essa diferença cresceu muito nos últimos meses na expectativa do leilão de venda de parte das ações do governo na estatal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.