Petrobrás passa controle de refinarias para a Bolívia

Estatal boliviana YPFB reassume instalações em Cochabamba e Santa Cruz

Agencia Estado

27 de junho de 2007 | 14h23

A Petrobrás transferiu na terça-feira, 26, para a Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) a operação das refinarias de Santa Cruz e Cochabamba, assegurando que receberá, em 11 de agosto, em dinheiro, a segunda parcela do preço de US$ 112 bilhões acordado com o governo da Bolívia."Temos garantia bancária para o pagamento", declarou o diretor da área Internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró. Segundo ele, a estatal brasileira manterá o foco em exploração e produção de gás no país vizinho. "Perdemos os ativos nos quais tínhamos o menor investimento, que eram os de distribuição e refino", afirmou.Cerveró reconheceu que a viabilidade econômica para investimentos em território boliviano piorou, mas não descartou a possibilidade de futuros projetos, embora tenha ressaltado que não há nada previsto para o curto prazo nos cinco campos de exploração e produção que a empresa mantém na Bolívia. "As condições não são atrativas. O que não quer dizer que seja inviável. O que podemos afirmar é que não estamos com nenhum projeto de curto prazo para investir na Bolívia", disse o executivo.O gerente-executivo da Petrobrás para o Cone Sul, Décio Oddone, afirmou que o seguro, fechado pela estatal brasileira para as duas refinarias dias antes da entrega das unidades, não representou nenhum custo para a companhia. "Houve uma troca de controle acionário e todos os ativos e passivos das refinarias foram transferidos ao novo acionista. Fechamos o seguro porque uma transição sem isso agregaria mais risco para o negócio", justificou. "Nossa preocupação era fazer (a transferência) de maneira suave."Os executivos da Petrobrás ressaltaram que, dos investimentos de cerca de US$ 1,5 bilhão feitos na Bolívia, apenas 10% foram destinados ao refino e à distribuição. As refinarias Guillermo Elder Bell e Gualberto Villaroel foram adquiridas em 1999, por US$ 102 milhões.ComemoraçãoDurante o período em que permaneceram sob o controle da estatal brasileira, registraram lucro de US$ 139 milhões. "Tivemos retorno adequado do capital investido", garantiu Oddone. Em 11 de junho, a Petrobrás recebeu a primeira parcela, de US$ 56 milhões, pela retomada das refinarias.Na Bolívia, a retomada das refinarias foi comemorada. O presidente Evo Morales esteve em Cochabamba e em Santa Cruz. Em discurso, ele pediu aos parlamentares que alterem a Constituição do país, com objetivo de proibir para sempre as privatizações. "Que nunca mais voltem os ‘vende-pátrias’. Que nunca nossas refinarias e recursos naturais sejam entregues às transnacionais", disse Evo.O boliviano acrescentou que espera que, na nova Carta Magna, a Constituinte "dê uma segurança, uma espécie de blindagem, de cadeado, para que nossas empresas, nossos recursos naturais não sejam privatizados, como fizeram até agora". Evo considerou o momento "histórico" e disse que era "uma festa" para os que têm "consciência pela pátria".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.