ANDRE DUSEK/ESTADAO
ANDRE DUSEK/ESTADAO

Petrobrás perde R$47,2 bilhões em valor de mercado

Queda reflete decisão da empresa de reduzir e congelar o preço do diesel; Parente diz que medida foi ‘extraordinária’ e ‘não irá se repetir’

Fernanda Nunes, Mônica Scaramuzzo e Renato Carvalho, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2018 | 05h00

O presidente da Petrobrás, Pedro Parente, tentou convencer o mercado financeiro de que tomou uma decisão "tática" ao congelar e reduzir o preço do óleo diesel em 10%, em resposta ao protesto dos caminhoneiros. Mas não conseguiu e as ações da empresa fecharam na quinta-feira, 24, com recuo de 13,71% (PN) e 14,55% (ON). A queda fez a petroleira perder R$ 47,2 bilhões em valor de mercado em apenas um dia, além do posto de empresa mais valiosa da BM&FBovespa, ao ser ultrapassada pela Ambev

As ações já abriram em forte baixa, o que levou Parente a convocar uma teleconferência com analistas de mercado para tentar conter a queda livre do papel. Em uma hora de conversa, repetiu várias vezes que a medida foi "extraordinária" e que "não irá se repetir". Questionado sobre as garantias de que, num cenário de emergência, não voltará a anunciar o descolamento dos preços dos combustíveis da paridade internacional, o presidente da Petrobrás falou em demissão. 

"Se por alguma razão não pudermos ter liberdade de preço, terei de sair (da empresa). O governo teria de encontrar novos gestores alinhados a essa visão", afirmou ele, acrescentando que não vê "o governo fazendo isso (interferindo na gestão e geração de receita da empresa)". 

+ União terá de pagar Petrobrás se quiser preço do diesel congelado por mais tempo

+ Após crise se agravar, governo cede e anuncia trégua com caminhoneiros

Desconforto

Na noite de quarta-feira, 23, em coletiva de imprensa, o principal argumento de Parente para justificar a medida foi que não poderia ser insensível aos prejuízos que a greve causava à população. Aos investidores, na quinta, reiterou o discurso: "Ao longo do dia, a crise se intensificou rapidamente e a Petrobrás começou a se sentir desconfortável". Avançou, porém, em justificativas financeiras. 

"Estamos hoje numa posição melhor do que a do dia anterior. Claramente, saímos de uma posição defensiva para a dianteira. Oferecemos nossa contribuição e assim pudemos reverter os prejuízos que poderiam ser maiores com a paralisação das nossas atividades. Agimos na defesa dos melhores interesses da companhia", disse. Em sua opinião, qualquer gestor em sua posição teria considerado a mesma medida. "Foi um movimento tático", defendeu.

+ Discussão sobre gasolina tenta preservar presidente da Petrobrás

+ Governo e Parente dizem que não haverá mudança na política de preços da Petrobrás

Disse ainda que a diretoria teve autonomia e independência ao tomar a decisão. Nem mesmo o conselho de administração, indicado em sua maioria pelo governo federal, interferiu. "Informamos ao conselho. Não submetemos (a medida) ao conselho", afirmou ele. Fontes da companhia contaram que a proposta de redução e congelamento do preço do diesel, apresentada por Parente em nome de toda diretoria, causou surpresa e resistência entre os conselheiros, que já estavam com reunião marcada para quarta-feira, mas não contavam com o anúncio. 

Uma das fontes disse entender "o ato de grandeza" de Parente, mas, para esse interlocutor, a estatal não deveria ter tomado partido.

Principalmente os membros empossados no mês passado demonstraram desconforto com o que consideraram a desmoralização da política de preços adotada no ano passado, de reajustes diários. Alegaram que, ao se posicionar, a Petrobrás corre o risco de virar refém das reivindicações de consumidores. 

+ Presidente do PT defende intervenção na Petrobrás

A repetição do executivo de que a Petrobrás agiu por conta própria também não convenceu os analistas. "A empresa vinha sendo fiel e pragmática na implementação da política de preços. Basta ver o que aconteceu com o preço do diesel nos últimos 30 dias, quando houve uma depreciação do câmbio e alta do petróleo. A empresa repassou ao mercado doméstico. Acho que teve uma pressão política, por mais que o Pedro Parente negue", disse um analista de um grande banco, que pediu para não ser identificado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.