Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Petrobrás planeja pedir parte do valor pago pela Odebrecht em acordo judicial

Estatal afirma que foi vítima de um grande esquema de cartel e subornos e que está buscando maneiras de reembolsar acionistas e governo

Dow Jones Newswires

23 Dezembro 2016 | 16h30

SÃO PAULO - A Petrobrás planeja reivindicar parte do montante pago pela Odebrecht no âmbito do acordo firmado pela construtora nesta semana com autoridades de Brasil, Estados Unidos e Suíça.

A petroleira tem dito que foi vítima de um grande esquema de cartel e subornos que a Odebrecht admitiu ajudar a conduzir. Investigadores dizem que a rede de corrupção, que incluía um cartel de empreiteiras, custou aos contribuintes brasileiros e aos acionistas da Petrobrás estimados US$ 13 bilhões.

Após meses de negociações, a Odebrecht concordou na quarta-feira em pagar entre US$ 2,6 bilhões e US$ 4,5 bilhões a autoridades de Brasil, EUA e Suíça ao longo de 23 anos, segundo o Departamento de Justiça norte-americano.

"Nós estamos buscando maneiras de reembolsar os acionistas e o governo brasileiro", afirmou o diretor de governança, gerenciamento de risco e compliance da petroleira, João Elek, em entrevista ao Wall Street Journal no fim da quinta-feira. "A Petrobrás fará um esforço para recuperar a parte que seja justa."

Além da multa contra a Odebrecht, o maior acordo anticorrupção da história, a subsidiária de petroquímicos da construtora, a Braskem, concordou em pagar US$ 957 milhões.

É "extremamente difícil" calcular quanto a Petrobrás deveria receber e a companhia tem uma equipe preparando-se para mostrar às autoridades como o valor final será definido, disse Elek. Segundo ele, em breve a empresa enviará a informação às autoridades.

O acordo da Odebrecht reverberou pela América Latina, onde a construtora admitiu ter pago cerca de US$ 800 milhões em subornos desde 2001 em dez países da região, bem como na África, em Angola e Moçambique.

A Petrobrás elogiou na quarta-feira o acordo como um "passo importante", mas Elek disse que a construtora não deve ter permissão para fazer negócios com a petroleira até que outras condições sejam atendidas. A Odebrecht teria de provar que introduziu medidas para garantir que não se envolverá com práticas similares no futuro, antes que a Petrobrás permita que a construtora busque novamente ganhar contratos com a estatal, disse Elek, sem dar detalhes.

Durante boa parte da última década, as maiores construtoras brasileiras conspiraram com políticos e executivos da Petrobrás para desviar bilhões de dólares com contratos inflados, usando esse dinheiro para enriquecer, comprar o silêncio dos envolvidos e financiar campanhas eleitorais, segundo autoridades brasileiras. A promotoria e a polícia do Brasil estimaram a perda total da Petrobrás em R$ 42 bilhões (US$ 12,8 bilhões), em um esquema que custou à empresa a perda de seu rating com grau de investimento e transformou-a em uma das companhias listadas do setor de energia mais endividadas do mundo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.