Petrobras pode aumentar gasolina antes das eleições

A Petrobras poderá reajustar o preço dos combustíveis antes das eleições. A previsão é do presidente da companhia, Francisco Gros, que participou na manhã desta terça-feira de palestra na Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp."A definição de reajustar os preços dos combustíveis é comercial e não política", afirmou. Segundo Gros, a defasagem existente entre os preços internacionais da gasolina e do diesel - que balizam a política de preços da Petrobras - e as tarifas domésticas não chega aos 24% anunciados por especialistas.Ele não soube, contudo, informar qual seria a defasagem nesta terça por não ter tido ainda acesso às cotações do dólar nesta manhã. Segundo ele, a estatal "aguarda um momento de equilíbrio", diante da grande flutuação cambial, para definir os porcentuais de um novo reajuste.Para ele, o temor de que uma nova guerra no Golfo Pérsico provoque altas acentuadas nos preços internacionais do petróleo "é real e pode resultar em novos reajustes dos preços da gasolina no Brasil". Mas ele considera que, até o momento, os preços do barril do petróleo têm se mantido estáveis no mercado internacional, oscilando em torno de US$ 30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.