Petrobras pode deixar 'shale gas' com parceiros

A Petrobras pode deixar a operação de campos de gás não convencional, "shale gas" no jargão em inglês do setor, nas mãos de eventuais parceiros que tenham experiência nesse tipo de exploração, admitiu nesta terça-feira a presidente da companhia, Graça Foster. "A gente sempre considera que aquele que sabe mais opera. Então, se a gente encontrar um parceiro com conhecimento, ele opera. Aí, a gente não briga pela operação de forma alguma", disse, após audiência pública no Congresso. "A não ser que a gente já seja um operador numa área que já tenha infraestrutura. Aí, a gente discute operação", ressalvou.

LAÍS ALEGRETTI E EDUARDO RODRIGUES, Agencia Estado

14 de maio de 2013 | 19h29

Graça declarou que a Petrobras "entrará firme" no leilão para exploração de blocos de gás não convencional. Trata-se da 12.ª rodada da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), que está prevista para ocorrer em outubro. "Se as estimativas de gás não convencional se confirmarem, teremos competitividade maior de gás em todo o País", disse.

Ela ressaltou que o gás não convencional ainda é um produto incipiente para a empresa. "É lógico que quem começou antes faz melhor. Não é nosso caso. De qualquer forma, eu não tenho dúvidas que produzir gás em terra sairá a um preço mais competitivo que produzir gás no mar", disse. De acordo com Graça, a exploração desses blocos não necessariamente demandará a construção de novos gasodutos, pois o gás poderá ser empregado na geração de energia via termelétricas ou na produção de fertilizantes.

Grupo X

A Petrobras quer contratar serviços no Porto do Açu, do empresário Eike Batista, localizado no Rio, mas não pretende investir lá, segundo a presidente da Petrobras. "Queremos contratar serviços. Não há previsão, nem discussão, de colocação de nenhum dólar no Complexo do Açu", disse. Segundo Graça, a intenção é de fazer contratação nos terminais, se houver preços competitivos. "Temos conversado, sistematicamente, com empresas do Grupo X", afirmou, em referência às companhias de Eike.

Tudo o que sabemos sobre:
ANPleilãoGraça Foster

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.