Petrobrás pode desistir de incorporar BR

O diretor financeiro da Petrobrás, Ronnie Vaz Moreira, disse há pouco que a companhia pode desistir do processo de incorporação da BR Distribuidora, caso a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) obrigue a empresa a realizar uma oferta pública. Segundo ele, isso ia descaracterizar a proposta da Petrobrás, que não previa um desembolso de recursos com a incorporação. Ele ressaltou ainda que a troca de papéis proposta pela Petrobrás seria melhor, inclusive, para o mercado de capitais, que não perderia investidores. "Os acionistas da BR passariam a ser da Petrobrás, uma das ações mais negociadas da Bolsa. Quem quisesse vendê-las, não teria problemas. E o número de participantes no mercado não diminuiria, pois entraria um outro investidor em seu lugar", afirmou. O diretor disse ter se surpreendido com a decisão da CVM porque a lei é clara em não falar da necessidade de ofertas públicas nesses casos. Entre os motivos que levam a Petrobrás a pensar em desistir da operação, se o recurso enviado por ela for negado, está a questão do desembolso do preço a ser pago e da possibilidade de sua participação na BR cair por conta da oferta pública. Vaz Moreira revelou ainda que 100% dos acionistas da Petrobrás que se pronunciaram sobre a incorporação aderiram ao processo. Isso representaria cerca de 75% dos acionistas totais da estatal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.