Petrobrás pode perder grau de investimento se não divulgar balanço no prazo, diz S&P

Agência Standard & Poor's diz que estatal pode perder selo de boa pagadora se demonstrações financeiras de 2014 não forem divulgadas até 30 de abril

O Estado de S. Paulo

24 de março de 2015 | 15h38

SÃO PAULO - A Petrobrás poderá perder o grau de investimento pela agência Standard & Poor's se deixar de divulgar seu balanço auditado até o dia 30 de abril. Após esse período, a agência deverá colocar a classificação de risco da estatal em revisão, disse a equipe de análise de empresas da S&P em teleconferência nesta terça-feira, 24.

De acordo com as regras do mercado, a companhia tem até o final de abril para divulgar os números de 2014 devidamente auditados. Após essa data, disse a Petrobrás anteriormente, a empresa ainda terá de 30 dias a 60 dias, dependendo do contrato de dívida, para cumprir essa obrigação. Ou seja, o balanço anual auditado deve ser emitido até o final de maio de 2015, segundo a empresa. Caso contrário, credores poderão pedir a antecipação do vencimento da dívida.

Neste contexto, a S&P cortou o perfil de crédito individual da Petrobras para "b+", de "bb", e colocou em perspectiva negativa o rating corporativo da estatal, que foi mantido em "BBB-" -- último degrau do grau de investimento, a certificação de que a companhia honrará seus compromissos.

A agência disse ainda que a revisão do crédito individual da estatal, que não leva em consideração o apoio do governo brasileiro, deve-se à perspectiva de menor geração de fluxo de caixa e maior alavancagem (endividamento) da empresa neste e no próximo ano.

A Petrobrás já perdeu o grau de investimento pela Moody's e o corte por uma segunda agência obrigará alguns fundos, que apenas podem manter em carteira papéis que sejam grau de investimento por duas agências, a desovarem suas posições. Parte desses fundos já se antecipou, mas ainda existe um novo fluxo de vendas potencial de bônus da Petrobras se a companhia perder o grau de investimento por uma segunda agência. 

 



Envolvida em um escândalo de corrupção, a petroleira não publicou até agora seus resultados auditados do terceiro trimestre, depois que a auditora PricewaterhouseCoopers (PWC) se recusou a assinar o documento. Agora corre contra o tempo para divulgar também o balanço do quarto trimestre auditado, incluindo as perdas estimadas com corrução, reveladas pelas investigações da Operação Lava Jato.

O esquema, investigado pela Polícia Federal, teria desviado dinheiro de contratos da estatal para empreiteiras, políticos e ex-executivos da companhia. Dessa forma, a Petrobrás precisa realizar baixas contábeis críveis para reconquistar a confiança do mercado financeiro. (Com informações da Agência Estado e da Reuters).


 

Mais conteúdo sobre:
Petrobrásrating

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.