Petrobras: potencial da descoberta depende de estudos

A Petrobras divulgou nota esta tarde afirmando que a abrangência das descobertas na Bacia de Santos ainda depende de estudos e um plano de avaliação das áreas deverá ser entregue à Agência Nacional do Petróleo (ANP) dentro de poucos dias.A estatal divulgou a nota em resposta a um comunicado da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) exigindo resposta para as informações veiculadas hoje pela mídia, segundo as quais o diretor da ANP, Haroldo Lima, disse que a agência reguladora recebeu informações preliminares das operadoras da Bacia de Santos que indicam que a área denominada Pão de Açúcar teria até cinco vezes o volume de petróleo localizado em Tupi, na mesma bacia, o que poderia atingir o potencial de 33 bilhões de barris de óleo equivalente (petróleo e gás).O consórcio formado pela Petrobras (45%), BG (30%) e Repsol YPF Brasil (25%), responsável pela concessão da área, informou que "continua seguindo o programa exploratório do Bloco BM-S-9 na Bacia de Santos". O bloco é composto por duas áreas exploratórias. Na maior delas, foi perfurado o primeiro poço 1-BRSA-491-SPS (1-SPS-50) que resultou na descoberta anunciada em setembro de 2007. Na ocasião, foi informado que seriam necessários novos investimentos que contemplariam a perfuração de novos poços, e cujo Plano de Avaliação está em fase final de elaboração e deve ser protocolado na ANP nos próximos dias.Seguindo o cronograma normal de exploração, a Petrobras iniciou em 22 de março de 2008 a perfuração do segundo poço, o 1-BRSA-594-SPS (1-SPS-55), situado na área menor do bloco, mas que até o momento não atingiu a camada do pré-sal, localizada abaixo do leito marinho. Segundo a empresa, a continuidade das atividades exploratórias inclui a perfuração de novos poços, teste de formação de longa duração e novos estudos geológicos para comprovar a abrangência da descoberta. "Dados mais conclusivos sobre a potencialidade da descoberta somente serão conhecidos após a conclusão das demais fases do processo de avaliação, e serão informados ao mercado oportunamente", informou, em nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.