Petrobras precisará de 2 plataformas para novos campos

Com a nova descoberta no bloco BC-60, anunciada hoje pela Petrobras, a estatal poderá construir até duas plataformas de 180 mil barris/dia para produzir petróleo da região. Segundo o gerente-executivo de exploração e produção da companhia, Francisco Nepomuceno, essa região se tornou uma das principais apostas da companhia. Ele comparou os 2,1 bilhões de barris em reservas do BC-60 ao campo de Roncacor, na bacia de Campos, penúltima grande descoberta da Petrobras em 1996. "Esse bloco é muito importante, tanto para o Espírito Santo quanto para a Petrobras", afirmou. Segundo ele, são quatro campos produtores que ficam em uma distância máxima de 20 quilômetros entre o mais ao norte e o mais ao sul. Por isso, explicou, a empresa pretende usar uma infra-estutura compartilhada para todos os campos. O campo de Jubarte já em produção, vai receber, a partir do ano que vem a plataforma P-34 a mesma que passou quatro dias sob risco de naufrágio na bacia de Campos. A unidade, com capacidade para 60 mil barris/dia, está sendo adaptada para Jubarte e, no futuro, será substituída por uma das duas grandes plataformas que a Petrobras vai encomendar para esse projeto. Nepomuceno disse que a empresa está centrando os seus esforços para avaliar as descobertas nos blocos do "bid-zero", como são conhecidas no mercado as áreas cedidas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), antes do fim do monopólio estatal, em 1997. São 21 áreas que terão de ser devolvidas à ANP no segundo semestre. A Petrobras ficará apenas com as regiões onde houver descobertas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.