efeitos

Como a recuperação judicial da Latam afeta os investidores do setor aéreo

Petrobrás quer aprovação unânime do balanço

Conselheiros da estatal terão acesso aos resultados financeiros da companhia na próxima semana

Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

14 de abril de 2015 | 21h45

RIO - Às vésperas da reunião do conselho de administração que poderá por um fim à novela da divulgação do balanço de 2014, a diretoria Financeira da Petrobrás corre contra o tempo para conseguir unanimidade na aprovação dos números. O diretor financeiro Ivan Monteiro tem se reunido com os conselheiros para detalhar o trabalho, segundo fontes ouvidas pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. 

Daqui a uma semana, na reunião do conselho de administração, os conselheiros tomarão conhecimento do resultado financeiro de 2014 e do prejuízo causado pela corrupção. 

Concluído o cálculo, a diretoria agora está focada no consenso em torno do resultado financeiro entre os conselheiros para evitar questionamentos. E, assim, conquistar credibilidade entre os investidores. 

O principal alvo de Monteiro tem sido os conselheiros independentes que representam os donos de ações ordinárias e preferenciais - Mauro Cunha e José Monforte, respectivamente - e os empregados - Silvio Sinedino. Os três são os mais críticos aos projetos apresentados pela diretoria e costumam se opor ao colegas de colegiado, representantes da União. 

Cunha, Monforte e Sinedino deixarão o conselho na reunião de quarta-feira e não têm nada a perder na relação com a Petrobrás ou o governo, mas poderiam, no futuro, vir a responder pela aprovação do balanço, pois seus nomes deverão constar no documento de 2014, marcado pelo escândalo de corrupção. 

O conselho conta com nove conselheiros. “O que eles querem é uma partida de nove a zero e não de seis a três. Isso fará toda diferença na aceitação dos números pelo mercado. Mas tudo dependerá do que será apresentado”, disse uma fonte envolvida no processo. 

Dois principais entraves à divulgação já foram ultrapassados e demonstrados aos conselheiros. A metodologia de cálculo do rombo tem sido detalhada e já não há mais suspeitas sobre os profissionais que participaram da produção do balanço financeiro.

A empresa de auditoria PricewaterhouseCoopers (PwC) se negava a assinar o balanço até que fossem afastados do trabalho todos os suspeitos.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrásbalanço

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.