Petrobras quer contratar navios construídos no País

A Petrobras quer que os navios que ainda precisa contratar sejam construídos no Brasil. "Queremos minimizar os efeitos da doença holandesa", disse em evento em Nova York. A doença holandesa é um conceito econômico que tenta explicar a aparente relação entre a exploração de recursos naturais e o declínio do setor manufatureiro. Além dos 59 navios em leasing atualmente, o executivo afirmou que a empresa precisa de mais 175 embarcações. Assim como os navios, a companhia quer que as sondas de perfuração sejam construídas no País. A empresa planeja ter 72 sondas de perfuração até 2017 e vai anunciar processo de licitação para a compra de 28 novas sondas."Somos auto-suficientes em produção de petróleo, precisamos importar óleo leve. Vamos aumentar nossa capacidade de refino", completou, ao mencionar a construção de uma refinaria em Pernambuco e a refinaria de petroquímicos no Rio de Janeiro.Ao falar das descobertas, Gabrielli emendou: "Para nós é melhor encontrar petróleo do que dizermos quanto temos. Deus é brasileiro, mas não podemos apenas confiar em Deus. Temos também de fazer nossa parte", brincou, ao citar a necessidade de construir um oleoduto de Tupi a Mexilhão.Em entrevista coletiva à imprensa após evento organizado pela Câmara de Comércio Brasil-EUA, o executivo disse que testes devem começar em Tupi no primeiro trimestre de 2009. A produção não deve ter grande impacto para a Petrobras ate 2010. "O maior impacto deve vir após 2013". Segundo Gabrielli, o primeiro óleo da camada pré-sal deve vir do Espírito Santo. O pré-sal é uma camada de reservatórios que se encontram no subsolo do litoral do Espírito Santo a Santa Catarina.

NALU FERNANDES, Agencia Estado

10 de junho de 2008 | 13h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.