Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Petrobrás quer explorar logo dois novos campos

Reservas estão perto do litoral, em águas rasas, e produzem óleo leve; estatal diz que ainda não há informações sobre adiamento de projetos

Nicola Pamplona, O Estadao de S.Paulo

20 de novembro de 2008 | 00h00

A Petrobrás estuda antecipar a produção em duas descobertas feitas este ano no sul da Bacia de Santos. Os projetos, batizados provisoriamente de Tiro e Sidon, têm boas perspectivas de óleo leve, tipo considerado prioritário pela estatal. Segundo o gerente do Ativo Sul da Unidade de Negócios da Bacia de Santos da companhia, Luiz Carlos Mendes, a produção nos dois campos pode ser facilitada pelo fato de estarem em águas rasas e próximos ao continente. A antecipação da produção de óleo leve é uma das estratégias da estatal nos últimos anos para reduzir o déficit de sua balança comercial e deve ganhar força no próximo planejamento estratégico da companhia, uma vez que garante maior fluxo de caixa em tempos de crise financeira. O Brasil é hoje importador desse tipo de petróleo, que é misturado ao óleo nacional nas refinarias para aumentar a produção de diesel, combustível escasso no mercado mundial. Ontem a Petrobrás informou que o seu planejamento estratégico ainda está em elaboração, e por isso não existem informações suficientes sobre o adiamento de projetos de menor retorno, dando prioridade para os mais rentáveis. A informação foi divulgada na terça-feira pelo gerente geral de Novos Negócios da área de Exploração e Produção da companhia, José Jorge de Moraes Júnior. Segundo Mendes, a região sul da Bacia de Santos, em frente ao litoral paranaense, é "promissora" em óleo leve. A área já tem uma pequena produção, no campo de Coral, e descobertas em fase de desenvolvimento, como Cavalo Marinho e Estrela-do-Mar. O projeto Tiro teve uma descoberta anunciada à Agência Nacional do Petróleo (ANP) em 13 de outubro. Já em Sidon, cerca de 50 km ao norte, a Petrobrás encontrou indícios de petróleo no fim de setembro. O gerente da Petrobrás informou que a empresa estuda agora a concepção dos projetos para avaliar a antecipação da produção. "São oportunidades interessantes", disse Mendes, após a audiência pública sobre Tupi, na noite de anteontem. Segundo ele, a localização geográfica pode acelerar o início de produção dos projetos. GÁS NATURALMendes informou também que a estatal deve iniciar, ainda em dezembro, a produção de gás no Campo de Lagosta, região central da Bacia de Santos, que deve ampliar em 1,5 milhão de metros cúbicos por dia a oferta de gás à Baixada Santista. As reservas estão ao lado do Campo de Merluza, único produtor da bacia, já ligado ao continente por um gasoduto até Cubatão. A estatal vai usar a infra-estrutura de Merluza para escoamento do gás de Lagosta, que foi descoberto pela americana El Paso e depois comprado pela Petrobrás. Com o novo projeto, a Unidade de Tratamento de Gás de Cubatão passará a receber 2,3 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. Durante a audiência pública, o chefe do escritório de licenciamento de petróleo e gás do Ibama, Edmilson Maturana, afirmou que o órgão trabalha para emitir até janeiro a licença do teste de longa duração de Tupi. O projeto prevê 14 mil barris de petróleo por dia durante 15 meses, para testar os reservatórios da descoberta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.