Petrobras reafirma que mercado externo não mexerá com preço da gasolina

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, voltou a reiterar que a estatal não deve repassar para os preços da gasolina e do diesel no mercado interno a volatilidade internacional do preço do barril. Ele fez ainda uma análise sobre a tendência mundial dos preços do petróleo, na qual considerou que há uma possível volta do ciclo do petróleo, o que indicaria uma queda nos preços no decorrer dos próximos anos. Esta queda, explicou Gabrielli, estaria baseada no aumento de investimentos em exploração e refino, o que acontece atualmente devido ao elevado preço do petróleo no mercado internacional.Com base nesta análise, ele acredita que, nos próximos cinco anos, haverá um aumento da oferta em decorrência dos investimentos feitos agora. Para Gabrielli, hoje há uma diferença muito pequena entre oferta e demanda, o que traz uma insegurança e a conseqüente oscilação dos preços.Ele explica que, em decorrência desta análise, o novo planejamento da Petrobras calcula a financiabilidade dos projetos a serem implantados em US$ 25. Ou seja, para um projeto de exploração de petróleo em determinado campo ser julgado viável economicamente, a Petrobras considera que o petróleo venha a cair até US$ 25. "É um plano robusto e conservador", admitiu Gabrielli.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.