Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Petrobrás recebe sinal verde para fábrica de fertilizantes em MS

Segundo a estatal, a terraplanagem começará em abril e a produção comercial será iniciada no segundo semestre de 2014

REUTERS

22 de fevereiro de 2011 | 17h40

A Petrobrás recebeu nesta terça-feira a Licença de Instalação da sua terceira fábrica de fertilizantes nitrogenados, a UFN III, que ficará em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul.

Segundo a estatal, a terraplanagem começará em abril e a produção comercial será iniciada no segundo semestre de 2014, com capacidade para 1,2 milhão de toneladas de ureia e 761 mil toneladas de amônia por ano.

"A fábrica da Petrobras em Três Lagoas será a maior unidade de fertilizantes nitrogenados da América Latina e dobrará a produção nacional de ureia", informou a Petrobrás em nota.

Atualmente, o Brasil importa 67% da ureia que consome. Do total de amônia que será produzido na unidade, 680 mil toneladas serão utilizadas no processo produtivo da ureia e 81 mil toneladas serão comercializadas.

A Petrobrás possui fábricas de fertilizantes nitrogenados nos municípios de Laranjeiras (SE) e Camaçari (BA), que produziram, juntas, 223 mil toneladas de amônia e 758 mil toneladas de ureia em 2010.

A demanda total por ureia em 2010 foi de 3,815 milhões de toneladas, segundo a estatal, sendo 1,270 milhão de toneladas produzidas no Brasil e 2,545 milhões de toneladas importadas.

Além da UFN III, a Petrobrás tem mais três projetos na área: o Complexo Gás-Químico (UFN IV), em Linhares (ES), com capacidade de produção comercializável de 665 mil toneladas/ano de ureia e 684 mil toneladas/ano de metanol, além de outros derivados; a UFN V, em Uberaba (MG), com capacidade de produção de 519 mil toneladas/ano de amônia; e uma planta para produção de sulfato de amônio que será instalada na fábrica de fertilizantes de Sergipe.

Com a entrada em operação das UFNs III, IV e V, a Petrobrás adicionará ao parque produtivo nacional uma capacidade de 600 mil toneladas/ano de amônia e 1.875.000 toneladas/ano de ureia.

Somando esse volume à capacidade de produção das fábricas já existentes, a capacidade total da Petrobrás será de 2,931 milhões de toneladas/ano de ureia (71% do consumo nacional de ureia) e 782 mil toneladas/ano de amônia (100% do consumo nacional de amônia).

(Por Denise Luna)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAAMONIAMINAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.