Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Petrobras redefine o mapa da Petroquímica nacional

A Petrobras deve anunciar amanhã o fechamento da compra da Suzano Petroquímica, negócio que havia sido comunicado ao mercado no dia 3 de agosto e dependia de acertos finais para ser concluído. Na segunda-feira, a Petrobras deve fazer outro anúncio importante, a conclusão das negociações com a Unipar para a criação da Companhia Petroquímica do Sudeste (CPS) - que será a segunda maior fabricante de matérias-primas para plásticos e resinas do Brasil, com faturamento previsto de R$ 8 bilhões por ano.O valor a ser pago pela Suzano deverá ficar cerca de 1% abaixo do preço anunciado em agosto, de R$ 2,7 bilhões, e que provocou muitas críticas por ter sido considerado alto demais pelos opositores da Petrobras. Com a conclusão da compra da Suzano Petroquímica, a Petrobras pode dar o passo seguinte em sua estratégia ousada - e polêmica - de reestruturação do setor petroquímico.A estatal deverá anunciar também na segunda-feira a união de ativos da Suzano Petroquímica e da Unipar na criação da Companhia Petroquímica do Sudeste. Ao unir todas as operações em uma só empresa, a Petrobras quer criar um grupo forte, com poder de competir com os gigantes internacionais, além de ser um concorrente direto da Braskem, a maior petroquímica da América Latina. Os críticos da empresa dizem, porém, que a Petrobras desequilibrou o jogo de forças no setor. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

29 de novembro de 2007 | 08h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.