Petrobras: refinaria no Ceará deve custar US$ 11 bi

A refinaria premium que a empresa estuda construir no Ceará poderá custar US$ 11 bilhões

KELLY LIMA, Agencia Estado

12 de junho de 2008 | 13h34

O diretor de Abastecimento e Refino da Petrobras, Paulo Roberto Costa, disse hoje que a refinaria premium que a empresa estuda construir no Ceará poderá custar US$ 11 bilhões. A cifra considera que a construção da unidade vai exigir reformas no porto de Pecém para abrigar a obra, além de ser "altamente qualificada" para o processamento de óleo pesado e de uma mistura com óleo leve para a produção de um diesel de melhor qualidade para concorrer no mercado europeu. Segundo ele, o protocolo de intenções assinado com o governo do Ceará prevê a avaliação da área para a construção da unidade destinada a um processamento de 300 mil barris por dia. Além do diesel - que vai corresponder a 60% do processamento do óleo - a refinaria deverá produzir querosene de aviação, nafta e gás liquefeito de petróleo destinados ao atendimento do mercado interno, além de coque que poderá atender à siderurgia local. O estudo para a implementação da unidade ficará pronto em 120 dias.Segundo o diretor, o diesel desta unidade poderá ser voltado ao mercado internacional, porque quando ela entrar em operação em 2014 as refinarias do Comperj, no Rio, e a Abreu e Lima, em Pernambuco, já estarão concluídas e poderão garantir a auto-suficiência brasileira em diesel, que é deficitário no mercado doméstico.Ainda segundo Costa, esta unidade no Ceará não vai produzir gasolina, já que hoje há um excedente do produto no País, que deve aumentar em função do avanço do consumo de álcool. "Não vamos inundar o mercado com gasolina", comentou. MaranhãoO diretor disse ainda que embarca na próxima segunda-feira para o Maranhão, onde se reunirá com representantes do governo local para conversar sobre a possível construção de outra refinaria premium, esta com capacidade de 600 mil barris por dia. Ele disse que detalhes sobre a unidade só serão fornecidos após a visita ao Estado. O valor do investimento ainda não foi revelado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.