Paulo Vitor|Estadão
Paulo Vitor|Estadão

Petrobrás renegocia contratos para viabilizar a produção do pré-sal

Com a cotação do barril do petróleo a US$ 48, apenas US$ 3 mais do que o previsto no plano de negócios da estatal, empresa busca baixar custo de produção negociando com fornecedores preços menores no afretamento de sondas e plataformas

Fernanda Nunes e Antonio Pita / Rio, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2015 | 03h00

O preço do petróleo despencou e levou com ele a rentabilidade das reservas no pré-sal, a grande aposta da Petrobrás para sair do sufoco financeiro. Para que o pré-sal valha à pena, o barril do petróleo deve ser vendido a pelo menos US$ 45 no mercado internacional – número divulgado pela estatal no plano de negócios para os próximos cinco anos. Hoje, a cotação está a apenas US$ 3 dessa marca.

Na tentativa de virar o jogo, a empresa negocia com fornecedores valores menores pelo afretamento de sondas e plataformas, que são os principais equipamentos usados na exploração e produção do petróleo. Se tiver sucesso, vai conseguir reduzir o preço-alvo do petróleo a ser alcançado para viabilizar o pré-sal. Uma nova referência de preço para o negócio será definida até o fim do ano, quando serão concluídas as negociações com os fornecedores.

A queda no preço do petróleo afeta o caixa da empresa. Hoje, o principal campo em operação da Petrobrás é o de Lula, no pré-sal, que bateu recorde de produção em agosto. Mas a estatal já ganha 26,5% menos com esse campo que no auge da cotação.

Com ganho reduzido pela queda do petróleo e pressionada por um endividamento gigantesco, perto de R$ 500 bilhões, a Petrobrás luta para pagar o que deve e para bancar os investimentos no projeto mais promissor do pré-sal: o campo de Libra. Hoje, a estatal e suas sócias em Libra – Shell, Total e as chinesas CNOOC e CNPC – ainda pesquisam o potencial da área. Apenas em 2020, Libra estará em plena produção. As reservas estimadas são de 8 bilhões a 12 bilhões de barris, a maior descoberta já feita no País.

No fim de 2013, quando Libra foi licitado, a Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) calculou que seriam necessários mais de R$ 100 bilhões em investimentos para desenvolver a área.

A Petrobrás diz que o cenário mundial vai ajudar e os preços do petróleo vão subir até o início da operação comercial de Libra. “Até o momento, nada indica que os preços se comportarão no sentido de inviabilizar a exploração do pré-sal”, afirmou ao Estado a diretora de Exploração e Produção da Petrobrás, Solange Guedes.

Projeções. Jorge Camargo, presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) – que responde pelos interesses de empresas como Shell e ExxonMobil – diz que nenhum país apresentou na última década descobertas tão promissoras quanto o pré-sal. “O preço do petróleo que importa não é o do dia, mas a projeção (para o início da produção no pré-sal). É claro que a projeção para os próximos anos também baixou muito, mas não a ponto de inviabilizar o pré-sal”, disse.

A estimativa do vice-presidente da consultoria IHS Energy, Atul Arya, é que, em cinco anos, o barril do petróleo do tipo Brent não retome o patamar superior a US$ 100, como acontecia até o ano passado. Mas prevê que seja negociado em condições mais favoráveis. A projeção é de um preço de US$ 90, em média, em 2020.

A coordenadora de Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas Energia, Lavínia Hollanda, também não enxerga a cotação a US$ 100 no curto prazo, porque os estoques nos Estados Unidos estão altos e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) não indica que vai reduzir a produção. Para piorar o cenário, a demanda está em queda no mundo todo.

Em sua opinião, a queda dos preços dos equipamentos vai ajudar a Petrobrás. A grande dúvida é a cotação do petróleo no longo prazo. “De qualquer forma, é preciso considerar que o pré-sal é prioritário para a Petrobrás, porque tem um potencial de produtividade muito grande. É preciso um período maior de análise do projeto para tirar qualquer conclusão.”

Em função da alta produtividade, mesmo se preço do petróleo ficar abaixo do considerado viável, a Petrobrás não deve ter alternativa a não ser continuar a investir no pré-sal. Enquanto nas demais regiões, um poço produz 2 mil barris de petróleo por dia, uma única estrutura no pré-sal é capaz de produzir 20 mil barris por dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.