FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

'Petrobrás saiu do cabaré, casou e tem filhos', diz conselheiro da estatal

O conselheiro da estatal e da BR Distribuidora, Jerônimo Antunes, rebateu uma declaração feita pelo procurador do MPF, Deltan Dallagnol, que afirmou que a Petrobrás 'é a moça mais honesta dos cabarés do Brasil'

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2017 | 14h59

RIO - “Já tiramos a moça (Petrobrás) do cabaré e ela está casada e com filhos, e o nosso trabalho é impedir que ela caia na tentação de novo”, rebateu hoje o conselheiro da estatal e da BR Distribuidora, Jerônimo Antunes, a declaração feita um pouco mais cedo pelo procurador do Ministério Público Federal, Deltan Dallagnol, no 38º Congresso Brasileiro de Auditoria Interna, que está sendo realizado no Rio de Janeiro até amanhã.

+ Ministro da Fazenda defende que Petrobrás seja privatizada

Em sua apresentação mais cedo no mesmo evento, Dallagnol disse que, de acordo com um dos delatores da operação Lava Jato, a “Petrobrás é a moça mais honesta dos cabarés do Brasil” .

Para Antunes, o grande desafio da gestão atual da Petrobrás é fazer com que as ações que foram tomadas para proteger a empresa se tornem permanentes.

“Estamos fazendo diversas ações, colocando estatuto social, colocando regimentos internos, fazendo uma estrutura que quem quiser mudar mais à frente vai deixar trilhas”, afirmou o executivo ao Broadcast.

De acordo com Antunes, com essas trilhas evidenciadas as mudanças ficarão evidentes e órgãos como o Tribunal de Contas da União e a Secretaria de Coordenação e Governanças das Empresas Estatais (Sest) terão mais rapidamente evidências do que está acontecendo com a empresa.

+ Petrobrás perde R$ 12,5 bilhões com a Comperj

“O próprio corpo funcional da empresa pode se insurgir e acionar o Ministério Público. Todas as nossas medidas, além de ter consertado a casa, foram feitas para serem perpétuas”, declarou.

Entre os vários mecanismos criados para blindar a empresa contra desvios de conduta e roubos, Antunes citou a criação de comitês estatutários para analisar desinvestimentos e novos projetos. “Está no estatuto, foi votado em assembleia e é uma clausula perpétua da empresa”, afirmou.

Para ele, as medidas que vêm sendo adotadas desde 2015 vão eliminar  o risco de se repetirem os erros do passado. “Essas medidas são medidas que vão eternizar essa boa governança, nosso desejo é que a moça não caia mais na tentação e que seja feliz”, finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.