Felipe Dana/Estadão
Felipe Dana/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Petrobrás se recupera e Bovespa fecha em alta pelo 3º dia consecutivo

Ações da estatal sofreram ajuste e subiram depois de terem atingido os menores valores em dez anos; Bolsa avançou quase 1%

Clarissa Mangueira, O Estado de S. Paulo

08 de janeiro de 2015 | 17h51

A Bovespa fechou em alta pelo terceiro dia seguido, ajudada por uma movimento de recuperação. A valorização foi conduzida pelo ganhos acentuados das ações da Petrobrás, que também sofrem um ajuste após terem atingido os menores preços em dez anos recentemente.

No fim do pregão, o Ibovespa subiu 0,97%, aos 49.943,30 pontos. Na máxima, a Bolsa registrou 50.261 pontos (+1,61%) e na mínima, 49.017 pontos (-0,90%). O volume de negócios totalizou R$ 6,024 bilhões. No ano, o Ibovespa ainda acumula baixa de 0,13%.

A bolsa abriu o dia em alta, mas devolveu os ganhos logo depois devido a um movimento de ajuste que se seguiu à alta de mais de 3% registrada na véspera. A Bolsa doméstica chegou a ensaiar uma melhora perto da abertura dos índices acionários em Nova York, mas não teve força para acompanhar a valorização das praças internacionais. 

No início da tarde, a Bovespa retornou para o campo positivo, recebendo suporte da alta em Wall Street, diante da recuperação dos preços do petróleo e das sinalizações vindas da ata de política monetária divulgada ontem pelo Federal Reserve (Fed). O banco central norte-americano sinalizou que o processo de alta dos juros a alta de juros nos EUA não será imediata. O sentimento no exterior também foi impulsionado pelas expectativas de que o Banco Central Europeu (BCE) possa anunciar novas medidas de estímulo na Europa. 

Os ganhos da Bovespa foram liderados pelas ações de Petrobrás, Vale e dos bancos. As ações ON e PN da estatal fecharam 6,75% e 5,88%, respectivamente. O ganho refletiu um movimento de correção de preços, após os papéis terem atingido as mínimas de mais de dez anos nos últimos dias e o aparente alívio nos preços do petróleo, que buscaram um piso ao redor de US$ 50 por barril no mercado internacional. Conforme apurou o Broadcast, o salto desses papéis também esteve relacionado a um movimento de cobertura de posições vendidas no papel ordinário, e as ações PN acompanharam.

No setor de mineração e siderurgia, as ações da Vale fecharam em alta de 1,06% (ON) e 0,55% (PNA). Já Usiminas PNA (-5,00%), CSN ON (-2,44%) e Gerdau PN (-1,92%), devolveram parte dos fortes ganhos registrados nos últimos dias.

Os papéis do setor financeiro também fecharam no azul: Banco do Brasil ON, +0,34%, Bradesco PN, +0,52%, e Itaú Unibanco, +1,56%. As units do Santander contrariaram a tendência e recuaram 1,57%. Os papéis fora afetados pela notícia envolvendo a matriz do banco espanhol, que teve as negociações suspensas hoje na Espanha devido a uma reunião do conselho convocada para esta tarde. O encontro votará um aumento de capital de até 7,5 bilhões de euros.

Tudo o que sabemos sobre:
bovespapetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.