finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Petrobras tenta atrair fundos para negócio com Suzano

Os fundos de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (Previ), da Petrobras (Petros) e o braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDESPar) estão negociando a participação na nova petroquímica que será criada pela Petrobras, a chamada Companhia Petroquímica do Sudeste (CPS). O plano é abrigar todas as unidades de produção de matéria-prima básica e de resinas plásticas numa só empresa, incluindo os ativos e participações da Suzano - que acaba de ser comprada pela Petrobras -, da Unipar e da própria Petrobras. A CPS teria uma receita anual de R$ 15 bilhões nos próximos anos, tamanho suficiente para disputar mercado com a Braskem.Segundo uma fonte ouvida pelo Estado, que pediu anonimato, a participação societária dos fundos de pensão e das empresas já começou a ser definida e poderá ser diluída na Rio Polímeros (Riopol), uma das centrais petroquímicas que fará parte da Companhia Petroquímica do Sudeste. A Riopol é a única central de matérias-primas petroquímicas do País baseada em gás natural. Na Riopol, a Petrobras e o BNDES detinham cada 16,7% do capital e a Unipar e Suzano Petroquímica controlavam 33,3% cada. Ainda não se sabe como ficará a composição acionária com a entrada dos fundos de pensão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.