Petrobras: testes em Tupi podem custar US$ 2 bi

O diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Guilherme Estrella, afirmou hoje que os 12 poços necessários para testes de reservatório e o projeto-piloto de Tupi custarão US$ 1 bilhão. Além disso, a empresa terá de gastar com a encomenda de uma plataforma para o projeto-piloto e com a construção de um gasoduto para escoar a produção. Segundo estimativas do mercado, o custo total pode superar os US$ 2 bilhões.Após debate promovido pelo Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), Estrella afirmou que a primeira fase do projeto, que contará com cinco FPSOs (unidades que produzem e armazenam petróleo) até 2020 deve ter uma produção de pelo menos 500 mil barris por dia, próxima ao pico de 580 mil barris atingidos por Marlim, o maior campo petrolífero em operação no País.A fase seguinte de Tupi, porém, só será definida após avaliação dos resultados da fase inicial. Segundo Estrella, a empresa não quer repetir, em Santos (SP), o modelo de produção usado em Campos (RJ), com a interligação de diversas plataformas para escoar o gás. Isso porque o custo de grandes gasodutos nas águas ultraprofundas de Santos pode inviabilizar os projetos. Ele confirmou que a empresa acredita na necessidade de unitização (reunir em um só volume) de alguns reservatórios do pré-sal e que o tema é discutido entre os diversos sócios nas concessões da região.

KELLY LIMA, Agencia Estado

11 de junho de 2008 | 21h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.