Petrobras teve a menor queda no lucro entre as grandes

Com lucro de R$ 7,3 bilhões no terceiro trimestre deste ano, a Petrobras foi a empresa do setor, entre as grandes transnacionais, a ter a menor queda no resultado comparando-se com o mesmo período de 2008, conforme a avaliação de especialistas. O saldo, 25,8% inferior ao do terceiro trimestre, representa uma queda bem menor do que o recuo das outras grandes - entre elas Shell, Chevron e Exxon -, entre 50% e 60%.

KELLY LIMA E TATIANA FREITAS, Agencia Estado

13 de novembro de 2009 | 19h53

Para os especialistas, a explicação está relacionada à política de preços da Petrobras. Apesar de manter o preço do QAV (querosene de aviação), óleo combustível e nafta atrelados ao mercado internacional, a gasolina e o diesel permanecem com política descolada do mercado externo. E, apesar de ter reduzido em parte o valor desses dois principais combustíveis em meados de junho, resta ainda uma pequena vantagem sobre os valores em relação ao barril cotado fora do País.

Ou seja, a companhia vende aqui dentro diesel e gasolina por uma pequena diferença a mais do que o valor comercializado lá fora. Também foi destacado pelos analistas o fato de a produção da companhia ter aumentado em 0,5% no período e as vendas terem começado a se recuperar, apresentando aumento de 6,5% em relação ao trimestre anterior. "A sazonalidade que puxou as vendas e a recuperação da economia contribuíram positivamente para o resultado", destacou o analista do Credit Suisse, Emerson Leite.

A queda drástica do preço do barril internacional do petróleo após a crise financeira mundial em setembro do ano passado fez com que a maioria das grandes companhias registrasse um tombo no resultado financeiro no terceiro trimestre. Em 2008, esta foi justamente a época em que o petróleo despencou no mercado internacional, saindo de um patamar próximo dos US$ 150 o barril para chegar no final do ano a US$ 40.

A petroleira anglo-holandesa Shell, por exemplo, registrou de julho a setembro deste ano, lucro líquido de US$ 3,24 bilhões, uma queda de 62% na comparação com os US$ 3,82 bilhões apurados no mesmo período do ano passado. Nos nove primeiros meses do ano o resultado da empresa caiu 64%, passando de US$ 29 bilhões (2008) para US$ 10,5 bilhões. Atribuindo a queda do lucro ao fato de o barril internacional ter despencado, o CEO da companhia, Peter Voser, afirmou, durante a divulgação do balanço, que via "algumas indicações de que a demanda por energia e preços estão melhorando, mas a perspectiva continua muito incerta", sem qualquer perspectiva de recuperação rápida.

Balanço

A Petrobras apresentou lucro líquido de R$ 7,303 bilhões no terceiro trimestre de 2009, o que representa uma queda de 25,8% em relação ao mesmo período de 2008. Na comparação com o segundo trimestre deste ano, o lucro líquido da estatal caiu 5,5%, de acordo com informações do balanço financeiro divulgado no início da noite. O Ebitda do terceiro trimestre somou R$ 13,993 bilhões, uma redução de 7,58% ante igual intervalo do ano passado. Já em relação ao segundo trimestre, quando o Ebitda totalizou R$ 17,513 bilhões, houve uma perda de 20%.

A receita operacional líquida da companhia ficou em R$ 49,877 bilhões, uma queda de 20,45% em relação à apurada no terceiro trimestre de 2008. Na comparação com o segundo trimestre deste ano, porém, houve um crescimento de 7,3%.

No acumulado do ano até setembro, o lucro líquido da companhia somou R$ 20,853 bilhões e foi 22% inferior ao reportado no mesmo período de 2008 (R$ 16,798 bilhões). O Ebitda acumulado no ano soma R$ 44,929 bilhões, queda de 6%. Já a receita líquida do semestre caiu 17%, para R$ 135,077 bilhões. Os dados são consolidados.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoPetrobrasresultados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.