Petrobrás usará Japão para ampliar vendas na Ásia, diz fonte

Empresa vai embarcar cerca de 900 mil barris de petróleo bruto para sua unidade numa ilha japonesa

Marcílio Souza, Agência Estado

15 de dezembro de 2009 | 10h11

A Petrobrás planeja usar o Japão como base para vender mais petróleo bruto na Ásia, como parte de uma estratégia de longo prazo da petroleira de aumentar suas vendas junto com a produção, disse uma fonte da empresa à agência Dow Jones nesta terça-feira, 15.

 

A empresa vai embarcar cerca de 900 mil barris de petróleo bruto Roncador Brazil para sua unidade de estocagem na ilha de Okinawa, disse a fonte, que pediu para não ser identificada. A expectativa é que a remessa chegue ao Japão no início de fevereiro.

 

A Petrobrás já fornece petróleo bruto usando grandes cargueiros para China, Índia e Coreia do Sul. A unidade de estocagem vai permitir que a companhia divida a carga em navios menores, ganhando acesso a mais usuários finais na região, disse a fonte.

 

Em fevereiro deste ano, a petroleira assinou um acordo para fornecer petróleo à China Petroleum and Chemical Corp., ou Sinopec, como parte de um financiamento de US$ 10 bilhões.

 

Assim que a Petrobrás receber as primeiras parcelas, o braço de trading da Sinopec, a Unipec Asia, receberá 150 mil barris de petróleo por dia no primeiro ano. O fornecimento vai subir a 200 mil barris por dia ao longo dos nove anos seguintes.

A Petrobrás comprou 87,5% da Nansei Sekiyu KK, operadora de uma refinaria de 100 mil barris por dia na ilha de Okinawa, em abril de 2008.

 

O aumento da produção de petróleo no terceiro trimestre impulsionou os volumes de exportação da Petrobrás para uma média de 724 mil barris por dia. Espera-se que a companhia consiga atingir sua meta de produção doméstica este ano de 2,05 milhões de barris por dia, em média.

 

Em setembro, a produção da petroleira no exterior subiu para uma média de 149,3 mil barris por dia, após seu campo Nigerian Akpo ter começado a produzir. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobráspetróleoÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.