Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Petrobrás prioriza redução de dívida e mantém investimentos em US$ 74,5 bi

Orçamento para o período de 5 anos é praticamente o mesmo do divulgado em 2016 e está entre os menores da história da petroleira

O Estado de S. Paulo

21 Dezembro 2017 | 09h54

RIO E SÃO PAULO - Coube ao presidente Michel Temer, em período de rejeição popular, anunciar o investimento de US$ 74,5 bilhões da Petrobrás nos próximos cinco anos. Pela primeira vez, ontem, o plano de negócios da empresa foi anunciado no Palácio do Planalto. O orçamento para o período de cinco anos é praticamente o mesmo do divulgado em 2016 e está entre os menores da história da petroleira. Ao frear o investimento, porém, a empresa vislumbra que terá um caixa completamente sanado até 2022.

“Conseguimos reerguer a Petrobrás e cuidaremos para que permaneça como referência de profissionalismo e excelência”, disse Temer durante a solenidade. Para o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, a Petrobrás simboliza “a retomada e capacidade de resiliência da economia”, características do atual governo. 

Já o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, argumentou que foi à Brasília prestar contas ao acionista majoritário e disse que não vê “como isso pode arranhar a credibilidade” da companhia. Mas para o diretor do Centro Brasileiro de InfraEstrutura (CBIE), Adriano Pires, a cerimônia de ontem “acendeu uma luzinha amarela no mercado financeiro”, porque, em sua opinião, demonstra ingerência política sobre a empresa. 

A Petrobrás, ao divulgar o plano de negócios, mostra que permanecerá em busca do pré-sal e da redução da dívida. As premissas são praticamente as mesmas do planejamento anterior: chegar ao fim de 2018 com uma relação entre geração de caixa e endividamento dentro da meta de 2,5 vezes. No fim do terceiro trimestre, último período divulgado, a relação era de 3,16 vezes. 

Caixa. A expectativa da companhia é de que, à medida que o barril do petróleo se valorize, nos próximos anos, o compromisso do caixa com o pagamento de dívida caia. “O objetivo é que o indicador seja declinante e convergente, até 2022, com a média mundial das principais empresas do setor”, traz o plano de negócios, numa demonstração de que a petroleira vislumbra retomar completamente a sua saúde financeira no horizonte do plano, dos próximos cinco anos. Segundo Parente, essa média será uma relação entre geração de caixa e endividamento de 1,5 a 1,6 vez.

+Consórcios fazem propostas por rede de gasodutos da Petrobrás

O segmento de exploração e produção, que sempre dominou os investimentos, daqui para frente vai ganhar ainda mais espaço. A área, na qual o pré-sal está inserido, vai ficar com 81% do orçamento de US$ 74,5 bilhões. A área de refino e gás natural perdeu importância, responderá por 18% do total e, dentro dela, a de distribuição de combustíveis, ficou com 6% dos investimentos, um reflexo da abertura de capital da BR Distribuidora, na avaliação do diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP) David Zylbersztajn. A leitura é que, com menos participação na subsidiária, cai também o investimento na BR.

Venda. A meta de vender US$ 21 bilhões dos ativos neste e no próximo ano está mantida. “A Petrobrás está demonstrando que vai deixar o investimento em refino para parceiras”, acrescentou o diretor do CBIE.  Em entrevista, Parente ressaltou que a prioridade é buscar novos reservatórios e ampliar a produção nos já descobertos, em linha com a prática internacional. A entrada de oito plataformas apenas no próximo ano vai contribuir para isso. Em 2022, a Petrobrás espera estar produzindo 3,5 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) de petróleo e gás natural no Brasil e no exterior. Para o próximo ano, a marca é de 2,7 milhões de boe/d.

+Cade aprova venda pela Petrobras do campo de Azulão para a Eneva

“Na nossa opinião, a meta de produção da Petrobrás é consistente com os investimentos da empresa”, informou o JP Morgan aos seus clientes, em relatório. Já os analistas do Santander Christian Audi e Gustavo Allevato avaliaram que o plano de negócios veio dentro do esperado e sem grandes modificações em relação ao plano anterior divulgado pela estatal. 

+Venda de ativos rende US$ 17 bi à Petrobrás

A ação preferencial da petroleira fechou em alta de 4% e analistas atribuíram o bom desempenho ao fato de o documento ter vindo sem surpresas, em linha com a expectativa do mercado. / FERNANDA NUNES, EDUARDO RODRIGUES, IDIANA TOMAZELLI, DAIENE CARDOSO, BETH MOREIRA 

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.