Petrobras vai mexer nos preços o mais rápido possível

O diretor financeiro da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse hoje que a estatal pretende "mexer nos preços dos combustíveis o mais rápido possível". Ele insinuou que os preços devem subir. Em conferência com analistas estrangeiros, disse que há uma certa defasagem nos preços internos, se comparados com as cotações internacionais dos produtos. "Sempre existiu uma defasagem e isso não é estratégia só nossa, é da indústria como um todo", disse. "Estamos avaliando as condições do mercado interno para definir o que poderemos fazer com os preços". Gabrielli afirmou que o alinhamento com o mercado internacional está mantido.Preço médioO diretor financeiro da Petrobras disse que o preço médio de realização da companhia, que mede o preço de venda dos produtos, apresentou uma alta de 20,12% no quarto trimestre do ano passado. O aumento refletiu os reajustes de preços promovidos logo após as eleições.No acumulado do ano, o preço médio registrou uma alta de 7,2%, insuficiente para cobrir a alta do petróleo e do dólar durante o ano, já que não ocorreram aumentos no período pré-eleitoral. Contrato bilateralSegundo ele, a Petrobras está negociando contratos de curto prazo de venda de energia para reduzir o prejuízo com investimentos em térmicas. A estratégia é fechar contratos com duração de um ano ou dois, período em que o mercado energético brasileiro ainda deve passar por turbulências. "Nosso principal esforço nesta área é fechar os contratos e temos obtido algum sucesso", disse.Depois deste período a previsão é que o mercado esteja normal o e que os investimentos possam dar retorno. A Petrobras teve perdas de R$ 1,5 bilhão no balanço de 2002 com as operações no setor de energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.