Estadão
Estadão

Petrobrás vai propor novo plano de cargos e salários na 2ª feira

Sindicato critica proposta por generalizar funções, dividindo os empregados da estatal em apenas grupos de curso superior e de nível técnico

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

29 Junho 2018 | 16h44

RIO – O Conselho de Administração da Petrobrás aprovou esta semana alterações no plano de cargos e salários da empresa, que começará a ser apresentado a todos os funcionários na próxima semana.

+ Petrobrás é derrotada no TST na maior ação trabalhista de sua história

+ Mudança em regra do TCU impede leilão de áreas de pré-sal este ano

A mudança foi informada aos empregados em carta assinada pelo diretor de Assuntos Corporativos da estatal, Eberaldo de Almeida Neto, a qual o Broadcast teve acesso.

De acordo com o coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Simão Zanardi, o plano não foi debatido com a categoria e tem por objetivo generalizar os cargos para facilitar a realocação de pessoas em consequência da venda ou fechamento de unidades da companhia.

Zanardi critica o novo Plano de Carreiras e Remuneração (PCR) por dividir os empregados da Petrobrás apenas em dois grupos: os de curso superior e os de nível técnico.

"Dessa maneira ela pode transferir mais facilmente os empregados de uma unidade para outra, um mecânico, por exemplo, poderá ser transferido para onde estiverem precisando de um operador, por exemplo, o plano acaba com a especialidade", disse.

Já a Petrobrás alega no comunicado que o objetivo do plano é tornar a empresa "mais eficiente, ágil e produtiva”, com formas de trabalho que permitam o equilíbrio entre vida profissional e pessoal. "Precisamos das pessoas certas nos lugares certos e na quantidade certa", diz o diretor na carta.

No documento, a estatal destaca que a mudança confere uma maior transparência ao modelo de carreira, ao possibilitar que o empregado consiga planejar e desenvolver melhor sua vida profissional. "A gestão das pessoas não pode ficar aprisionada a regras burocráticas ultrapassadas", afirma o diretor na carta, prometendo recompensar os empregados "com base em resultados e também em comportamentos e atitudes", diz.

O coordenador da Fup conta que teve acesso ao plano há 10 dias, quando seu pedido de um tempo para dar sugestões não foi atendido. Segundo ele, a Petrobrás está se aproveitando da reforma trabalhista para fazer um plano unilateral. "Ela (companhia) está se aproveitando dessa brecha de planos unilaterais, mas no nosso entendimento não é legítimo porque a reforma (trabalhista) não pega contratos antes de 2017", disse.

Segundo ele, a adesão será voluntária, mas para garantir seus objetivos a empresa estaria oferecendo pagamentos adicionais. "É a cenoura no anzol, vai pescar quem não estiver atento", avaliou o sindicalista. Com a mudança, Zanardi acredita que a estatal deu para a categoria o motivo que faltava para fazer uma greve geral por tempo indeterminado. "O TST (Tribunal Superior do Trabalho) disse que nossa greve não tinha assunto corporativo que a motivasse, agora tem", afirmou, ainda sem data para a categoria paralisar suas atividades.

Ele explicou que antes necessário que a empresa divulgue o plano, o que vai acontecer na próxima segunda-feira. Procurada pela reportagem, a Petrobrás ainda não se manifestou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.