Petrobras vai recorrer de decisão judicial sobre gás

Em entrevista, o presidente da estatal afirma que gerenciamento da situação é com os distribuidores

Patrícia Fortunato, da Agência Estado,

31 de outubro de 2007 | 16h44

A Petrobras vai recorrer da decisão judicial que obrigou a companhia a retomar o fornecimento pleno de gás às distribuidoras do Rio de Janeiro, afirmou o presidente da empresa, José Sérgio Gabrielli. Na terça-feira, a companhia reduziu o fornecimento de gás para distribuidores em São Paulo e no Rio de Janeiro provocando cortes no fluxo para indústrias e para postos de gás natural veicular. A Petrobras disse que diminuiu o fornecimento para atender a uma demanda mais elevada das termelétricas movidas a gás. Mas um tribunal do Rio de Janeiro determinou que a companhia retomasse o nível normal de fornecimento no Estado.   Em entrevista em Londres, Gabrielli disse que a companhia cumpriria a decisão e elevaria o fornecimento para os níveis anteriores, mas ao mesmo tempo recorreria da decisão judicial. "(A questão) do gerenciamento da situação é com os distribuidores", afirmou o executivo.   O governo do Rio de Janeiro entrou com ação na Justiça alegando que o corte no fornecimento causava perdas à população, prejudicava a indústria e, provavelmente, geraria caos no transporte urbano. Com menos gás, a distribuidora do Rio, CEG, reduziu o envio para empresas como a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). "Os consumidores têm alternativas", disse Gabrielli. "As siderúrgicas podem substituir o gás por outras fontes, como o petróleo", declarou.   As informações são da Dow Jones

Mais conteúdo sobre:
Racionamento de gásPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.