Petrobras vê 'grande potencial' de óleo e gás em novo campo

Descoberta na bacia do Espírito Santo acontece um mês após o anúncio de Tupi, a maior reserva do País

Milton F.da Rocha Filho e Téo Takar, da Agência Estado,

07 de dezembro de 2007 | 08h58

A Petrobras agitou novamente o mercado de petróleo, ao anunciar a descoberta de petróleo leve (de melhor qualidade) e gás natural ao norte do campo de Camarupim, na Bacia do Espírito Santo, com o poço pioneiro 4-ESS-177 e o poço exploratório 6-ESS-168. Segundo a estatal, a área de exploração tem "grande potencial", que deve ser atestado com pesquisas.   Veja também: A maior jazida de petróleo do País   Há cerca de um mês, estudos da Petrobras revelaram que o recém-descoberto poço de Tupi, na Bacia de Santos, seria a entrada para a maior reserva de petróleo e gás do País.   O volume estimado da descoberta de Camarupim não foi revelado pela Petrobras. A estatal informa, nesta sexta-feira, 7, que vê potencial para novos poços na mesma bacia e já conta com ela no Plano de Antecipação da Produção de Gás (Plangas). Além de gás, o poço pioneiro constatou, também, a presença de óleo leve em reservatórios mais rasos, numa profundidade de 2.461 metros.   O poço foi perfurado numa lâmina d'água de 708 metros, no litoral capixaba, e encontrou reservatórios arenosos de 101 metros de espessura, saturados de gás, a uma profundidade de 3.417 metros. Neste bloco, o BM-ES-5, a Petrobras tem como sócia a americana El Paso Corporation, com participação de 35%.   O anúncio da nova descoberta da Petrobras ocorre praticamente passados 30 dias da confirmação do potencial de Tupi. Em 8 de novembro, o anúncio da descoberta histórica chacoalhou o mercado mundial e fez o governo rever as regras para o leilão de áreas de exploração por empresas privadas.   As ações da Petrobras dispararam na Bovespa e acumulam alta de 14,8% (PN) e 15.61% (ON).   Com o campo de Tupi, que tem reservas estimadas em 8 bilhões de barris, a estatal passou a ser uma das maiores companhias de petróleo do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasEspírito Santopetróleogás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.