Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

Petrobras reinicia processo de venda de três refinarias

Estatal informou que plano de desinvestimento representa 50% da capacidade de refino nacional

Marcia Furlan, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2022 | 10h06

A Petrobras anunciou na segunda-feira, 27, que reiniciou os processos de venda da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR), no Paraná, e Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP), no Rio Grande do Sul, além dos ativos logísticos integrados a essas refinarias.

Segundo a estatal, os teasers com as principais informações sobre os ativos e os critérios de elegibilidade para a seleção de potenciais participantes estão disponíveis no site da Petrobras. As próximas etapas dos processos serão informadas oportunamente.

No comunicado, a empresa informou que seu plano de desinvestimento em refino representa, aproximadamente, 50% da capacidade de refino nacional, totalizando 1,1 milhão de barris por dia de petróleo processado, e considera a venda integral das três refinarias acima e da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), da Refinaria Gabriel Passos (REGAP), da Refinaria Isaac Sabbá (REMAN) e Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (LUBNOR). 

"A venda dessas oito refinarias está sendo conduzida de acordo com o Decreto 9.188/2017 e a Sistemática de Desinvestimentos da Petrobras, por meio de processos competitivos independentes, os quais se encontram em diferentes estágios, conforme amplamente divulgados pela companhia", disse a estatal no documento. 

A Petrobras concluiu a venda da RLAM em novembro do ano passado e já celebrou contrato de compra e venda das refinarias REMAN, LUBNOR e SIX, aguardando agora o cumprimento das condições precedentes, dentre elas, a obtenção de aprovações regulatórias, para serem concluídas. A REGAP está em fase vinculante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.