finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Petroleira reduz lucro do BNDES no primeiro semestre

Os investimentos em ações na Bolsa castigaram o lucro líquido do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O lucro ficou em R$ 3,5 bilhões no primeiro semestre, 35,8% menor do que o registrado nos seis primeiros meses de 2014. A participação do banco na Petrobrás voltou a ser fonte de perdas, dessa vez por causa da polêmica decisão da petroleira de não pagar dividendos referentes a 2014.

Vinicius Neder, Mariana Sallowicz / RIO, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2015 | 02h03

Em abril, após divulgar com atraso seu balanço financeiro, a Petrobrás contabilizou prejuízo de R$ 21,5 bilhões e anunciou que não pagaria dividendo. "Nos primeiros seis meses de 2014, o BNDES havia obtido receita de dividendos e juros sobre capital próprio da Petrobrás de R$ 1,8 bilhão, que não se repetiu em 2015", informou ontem o BNDES, em nota.

A BNDESPar, empresa de participações acionárias do banco, também foi atingida por problemas da Petrobrás. A empresa teve um prejuízo de R$ 519 milhões no segundo trimestre, em contrapartida a um lucro de R$ 1,9 bilhão em igual período de 2014. O banco detém uma fatia de 17,24% no capital da Petrobrás. Com a estatal envolvida em escândalos de corrupção, endividamento excessivo e cotações do petróleo em queda, o valor da fatia do BNDES despencou. O valor era de R$ 37,9 bilhões no ano passado e passou agora para R$ 29,7 bilhões, uma queda de 21,8%.

Para o consultor Celso Portásio, sócio da consultoria RGF, o lucro do BNDES caiu por causa das "pedaladas fiscais" do governo. "O governo pega ações de empresas de que tem controle e coloca no BNDES, prejudicando o banco, que gera menos resultados e atrapalha a receita do governo", criticou Portásio, lembrando que o desmonte de triangulações entre Tesouro Nacional, estatais e BNDES poderá custar caro.

Vale. Outro fator que provocou impacto negativo foi a provisão para perdas no valor de R$ 1,15 bilhão, também referente a investimentos em ações. Segundo Carlos Frederico Rangel, chefe do Departamento de Contabilidade do BNDES, o principal responsável por essa perda foi o investimento na mineradora Vale.

Pelo lado positivo, o principal fator de contribuição para o lucro do primeiro semestre foi o aumento do resultado de intermediação financeira, ou seja, as operações de crédito. A cifra registrada foi de R$ 9,29 bilhões nos seis primeiros meses desse ano, valor 54,9% superior ao registrado em igual período de 2014.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.