Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Petroleiros de usina de biodiesel em Minas aderem à greve

De acordo com a federação, trabalhadores pararam a produção da unidade da Petrobras em Montes Claros

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

25 de março de 2009 | 10h07

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) informou o que os trabalhadores da usina de biodiesel da Petrobras em Montes Claros (MG) aderiram à greve nacional dos petroleiros, que começou nesta semana. A informação foi confirmada pelo Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro-MG) à FUP.

De acordo com a federação, com a paralisação, os trabalhadores interromperam a produção da unidade.

Em comunicado, a federação reitera que a negociação com a Petrobras prossegue na manhã dessa quarta-feira. No mesmo informe, a entidade sindical ressaltou que a greve dos petroleiros continua e será reavaliada na sexta-feira, último dia previsto para a paralisação.

Ainda segundo a FUP, os trabalhadores da BR Distribuidora avaliam hoje indicativo do Sindicato de Trabalhadores no Comércio de Minérios e Derivados de Petróleo (Sitramico-RJ) de paralisação de 24 horas na próxima sexta-feira, em apoio à greve dos petroleiros.

A federação diz que os petroleiros de todas as unidades de refino estão parados e o mesmo ocorre com os trabalhadores de grande parte dos terminais, oleodutos e gasodutos da Petrobras Transporte. A FUP informou também ter recebido adesão dos petroleiros da Replan, de Mossoró e do Alto do Rodrigues (RN), e das plataformas do Ceará, de São Mateus e Linhares (ES).

Na segunda-feira, a Petrobras divulgou nota sobre o movimento, informando que todas as unidades da companhia estavam funcionando normalmente, e que a produção e a segurança das operações e dos empregados não foram afetadas pelo movimento - sendo que a Petrobras opera com equipes de contingência onde é necessário, de acordo com o informe da estatal.

Entre as reivindicações dos petroleiros, estão a de garantir postos de trabalho nas empresas contratadas pela Petrobras e pagamento de horas extras dos feriados trabalhados; e debater sobre uma nova distribuição na participação nos lucros e resultados da empresa.

Tudo o que sabemos sobre:
grevepetroleirosPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.