Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Petroleiros iniciam greve nacional por tempo indeterminado

Categoria reivindica reajuste salarial de 4,44%, melhoras no plano de saúde e reposição de perdas desde 1994

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

15 de outubro de 2009 | 10h21

A Frente Nacional dos Petroleiros (FNP) iniciou nesta quinta-feira, 15, paralisação dos trabalhadores da categoria por tempo indeterminado. A informação foi confirmada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Petróleo do Estado do Rio (Sindipetro-RJ), por meio de sua assessoria de imprensa. O movimento abrange os seis sindicatos que participam da FNP. Estes sindicatos englobam um total de 28 mil trabalhadores, de acordo com cálculo do Sindipetro.

O sindicato ainda não tem informações sobre o nível de adesão dos trabalhadores ao movimento. Os petroleiros reivindicam reajuste salarial de 4,44% pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC); ganho real de 10%; melhoras no plano de saúde; reposição de perdas desde 1994, além de licença-maternidade de 180 dias e licença-paternidade de 30 dias, entre outras reivindicações. De acordo com o Sindipetro, a categoria tem negociado com a Petrobrás desde agosto. Mas como não houve acordo entre petroleiros e a estatal, os trabalhadores decidiram iniciar a greve.

A Petrobrás informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que mantém as negociações com os petroleiros. A companhia informou ainda que o movimento não deve trazer prejuízos às atividades da estatal no País.

Tudo o que sabemos sobre:
grevepetroleiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.