Petroleiros podem aderir à greve na Nigéria

As negociações entre o governo da Nigéria e os sindicatos de trabalhadores devem prosseguir nesta quarta-feira, em busca de solução para a greve geral no país, que já soma três dias. A greve foi convocada pelos maiores sindicatos em protesto contra a elevação de mais de 50% nos preços dos combustíveis. A produção e distribuição de petróleo do país ainda não foi atingida pela paralisação, mas o sindicato dos trabalhadores das companhias de petróleo ameaçaram aderir à greve, caso as negociações entre o governo e os sindicatos não produzam resultado positivo até domingo à noite. Os preços dos contratos futuros do petróleo estão em baixa, mas traders dizem que o movimento é limitado pela preocupação com a greve nigeriana. Os protestos resultaram na morte de oito pessoas até agora e, nesta manhã, várias pessoas ficaram feridas na capital, quando a polícia tentou dispersar com gás lacrimogêneo um grupo que buscava evitar que saíssem de casa. Nas negociações de ontem entre o governo e os representantes dos sindicatos, não foram obtidos progressos. Às 11h26 (de Brasília), o contrato futuro do petróleo cru valia US$ 30,28 o barril, queda de US$ 0,12 (0,39%). Preço médio da cesta de petróleo da opep estava em us$ 27,19 ontem O preço médio da cesta de sete tipos de petróleo cru da Opep estava em US$ 27,19 ontem, de US$ 27,11 na segunda-feira. A informação é da Opecna, a agência de notícias da organização. Desde 18 de março, o preço médio da cesta da Opep está dentro da banda de oscilação de US$ 22 a US$ 28 por barril; o mecanismo da banda de preços prevê uma elevação de 500 mil barris por dia na produção, caso o preço médio fique acima de US$ 28 por barril por 20 dias consecutivos, ou que reduza a produção em 500 mil barris por dia caso o preço médio fique abaixo de US$ 22 por barril por 10 dias consecutivos. Criada em 1986, a cesta da Opep se baseia nos preços dos seguintes tipos de petróleo: Saharan Blend, da Argélia; Minas, da Indonésia; Bonny Light, da Nigéria; Arab Light, da Arábia Saudita; Fateh, de Dubai; Tia Juana Light; da Venezuela; e Isthmus, do México.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.