Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Petroleiros preparam nova greve e dizem que podem 'parar o Brasil'

Paralisação no final de maio foi suspensa após Justiça determinar multa diária de R$ 1 milhão em caso de continuidade; categoria é contra plano de desinvestimento de R$ 21 bilhões da estatal

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2018 | 13h15

RIO - Após suspenderem uma paralisação de 72 horas, depois que Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerou a greve abusiva e determinou multa diária de R$ 1 milhão em caso de continuidade, os petroleiros ameaçam retomar o movimento, agora por tempo indeterminado.

+ FUP entra na Justiça contra Pedro Parente e pede arresto de bens

+ Petroleiros comemoram pedido de demissão de Parente da Petrobrás

Em reunião na manhã desta terça-feira, 12, em Curitiba (PR), a Federação Única dos Petroleiros (FUP) alertou que a greve deste ano, já aprovada em assembleias, pretende reproduzir a paralisação de 1995, a maior greve da categoria, que durou cerca de um mês e trouxe problemas ao abastecimento de combustíveis do País, além de demissões e outras punições aos grevistas.

Na reunião desta terça, dirigentes da FUP ressaltaram que a greve visa interromper o que eles classificam como "desmonte da Petrobrás", que tem um plano de US$ 21 bilhões de desinvestimentos

Entre os ativos anunciados à venda estão quatro refinarias da estatal, cujos trabalhadores poderão ser demitidos, segundo a FUP.

Entre outras palavras de ordem, os petroleiros afirmaram na reunião que se houver greve de fato, param o Brasil, como ocorreu recentemente na greve dos caminhoneiros

No final do mês passado, os petroleiros cruzaram os braços, justamente na semana em que os caminhoneiros organizaram a greve que culminou em uma crise sem precedentes de abastecimento no Brasil.

A exemplo dos empregados da Eletrobrás, os petroleiros também se viram obrigados a suspender a manifestação por força da Justiça. O TST considerou a greve abusiva e determinou multa diária de R$ 1 milhão em caso de continuidade.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.