Petróleo atinge novo recorde após medida da Turquia

País autorizou uma incursão militar no norte do Iraque

Suzi Katzumata

17 de outubro de 2007 | 14h40

Os contratos futuros de petróleo atingiram nova máxima intraday recorde de US$ 89,00 por barril,  depois que o Parlamento da Turquia autorizou uma incursão militar no norte do Iraque, revertendo uma leve queda registrada em reação aos dados que revelaram um aumento acima do esperado nos estoques comerciais norte-americanos de petróleo bruto e produtos derivados.   A ligeira queda nos preços, que ocorreu imediatamente após a divulgação dos dados pelo Departamento de Energia dos EUA (DoE), serviu como uma oportunidade de compra, disse Eric Wittenauer, analista da A.G. Edwards em St. Louis. Os traders aproveitam qualquer recuo nos preços para renovar o impulso de compras, vendo isso como uma pechincha, segundo Wittenauer.   Alcançada a marca de US$ 89,00, participantes do mercado disseram que agora a próxima meta são os US$ 90,00 por barril. Além do impulso dado pela renovação do nervosismo com relação a tensão  entre a Turquia e o Iraque, um trader observou que fundos hedge estão construindo posições no mercado futuro de petróleo para mirar preços mais altos. Contudo, outro participante alertou que a notícia já pode ter sido precificado pelo mercado e os preços podem recuar um pouco.   A escalada dos futuros de petróleo bruto deram impulso de alta para os contratos de gás natural, que chegaram a atingir a máxima intraday de US$ 7,55 por milhão de unidades térmicas britânicas  (MMBtu). Às 14h03 (de Brasília), na Nymex, os contratos de gás natural para novembro estavam em US$ 7,445 por MMBtu, alta de 1,06%.   Às 14h03 (de Brasília), na Nymex, os contratos de petróleo para novembro estavam em US$ 88,35 por barril, alta de US$ 0,74 (0,84%). No mesmo horário no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para dezembro estavam em US$ 83,99 por barril, alta de US$ 0,43% (0,51%). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleorecorde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.